SEGURANÇA

Mandar SMS por reconhecimento de voz ao dirigir causa mais distração

Pesquisadores da Universidade de Utah desenvolveram novas técnicas para medir a desatenção dos motoristas

AFP
AFP
Publicado em 14/06/2013 às 16:29
Leitura:

Enviar um SMS a partir da tecnologia de reconhecimento de voz, enquanto se dirige, gera mais distração para o condutor do que ouvir rádio ou conversar com o passageiro ao lado, informou um estudo publicado na última quarta-feira (12/6) nos Estados Unidos. Pesquisadores da Universidade de Utah desenvolveram novas técnicas para medir a distração cognitiva dos motoristas.

Os 32 participantes do estudo se submeteram a uma série de testes realizados em automóveis e em simuladores, usando um capacete com sensores capazes de detectar os movimentos e reações. Os primeiros resultados da pesquisa mostraram que o envio de mensagens de texto através da nova tecnologia de reconhecimento de voz (já presente em muitos veículos) gera uma distração maior para o motorista do que ouvir rádio ou conversar com o passageiro ao lado.

"Isso indica claramente que instalar sistemas de reconhecimento de voz nos veículos pode ter consequências imprevisíveis, afetando a segurança nas estradas", destacaram os pesquisadores, que tiveram a pesquisa financiada pela Fundação AAA para a segurança no trânsito.

"O fato de a nova tecnologia permitir ao motorista manter seus olhos na pista não quer dizer que seja possível garantir a segurança total quando o veículo está em movimento", explicaram.

Os 12 homens e 20 mulheres que participaram do estudo (com idades entre 18 e 33 anos) sofreram algum acidente de trânsito e reconheceram utilizar regularmente o celular enquanto dirigem.

Um comunicado do Conselho Nacional de Segurança, publicado no ano passado, descobriu que 24% dos acidentes de trânsito nos Estados Unidos estão relacionados ao uso do celular enquanto se dirige, apesar das proibições em muitos estados do país.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias