Urbanismo

Até quando?

Leitor denuncia os problemas da Zona Oeste do Recife

Maria Luiza Borges
Maria Luiza Borges
Publicado em 12/05/2011 às 21:32
Leitura:
Está é a pergunta da maioria dos moradores das áreas de Jardim São Paulo, Areias, Barro e Tejipió, na zona Oeste do Recife, que moram próximo a BR-101 Sul e convivem diariamente com o descaso da prefeitura com as vias públicas. E chamo descaso pelo fato de que não compreende apenas um ou dois problemas, mas um conjunto de problemas de infra-estrutura pública em uma das regiões que a população mais cresce no estado.
Os problemas são muitos e as conseqüências são desastrosas. 
Começando pelos acidentes de trânsito que ocorrem diariamente na região, nos mais diversos pontos. Só na Av. Dr. José Rufino, apenas no viaduto que passa sobre a BR-101, acontecem de dois a três acidentes por semana e isto no horário da noite, problemas causados visivelmente pela falta de sinalização, iluminação e semáforos. Nesta mesma avenida, também são constantes os acidentes nos trechos próximos à estação de metro de Tejipió e nas imediações do "Mini Shopping de Areias", problemas causados também pela falta de sinalização pública e também os buracos.
Os buracos. Só este tema já caberia uma carta ao JC com direito a páginas de dissertação. Sabemos que todo o Recife sofre com estes problemas, mas nestes bairros supracitados, alguns buracos tem provocado acidentes severos, buracos como o que fica próximo à Igreja do Barro, ou então ao pé da ponte sobre o Rio Tejipió, já no início da Av. Falcão de Lacerda, que com sua localização de pouca visibilidade, que tem derrubado vários motoqueiros, estourado pneus e quebrado suspensão de alguns carros que tem de encostar imediatamente. No bairro de Jardim São Paulo então, a principal avenida parece um canteiro de obras inacabada, com buracos, britas e pedaços de lombada partida. E estes buracos não são privilégio apenas dos bairros, pois na BR-101 entre a Ceasa e a Vila dos Milagres, trecho que corta os bairros em questão, acidentes e engarrafamento é algo comum.
Engarrafamento é um problema de todo o Recife, mas até pouco tempo não tão comum nestes bairros e neste trecho da BR. E o que incomoda mais é saber que algumas soluções simples poderiam ser tomadas para diminuir este caos, que só faz piorar com o crescimento populacional nestes bairros, que somam novos prédios e condomínios mensalmente. Nas Avenidas São Miguel, Dr. José Rufino, São Paulo e Falcão de Lacerda, a grande quantidade de carros estacionados em trechos próximo a semáforos ou comércio, além da carga e descarga de veículos de pequeno ou grande porte, dificulta o tráfego especialmente nos horários de pico. Na BR-101 sob o viaduto de Jardim São Paulo é terrivelmente absurdo o engarrafamento que se forma em ambos os sentidos por conta das lombadas ali instaladas, notório é a urgência em que se faz necessário uma passarela ou lombadas eletrônicas para que o trânsito possa fluir. Também o que atrapalha e muito o trânsito na região são os alagamentos.
Alagamento no Recife é o assunto do momento, mas para quem mora na zona Oeste da cidade não é preciso inverno para sofrer com as chuvas. O bairro de Afogados não tem esse nome por acaso. Não é de hoje, mas até mesmo em chuvas de verão é difícil para veículos menores passar em frente ao Colégio Visão, no bairro de Areias e na BR-101 sob o viaduto de Jardim São Paulo, com um mínimo de chuva (e aliado as lombadas já citadas) o engarrafamento fica quilométrico, isto em ambos os sentidos.
Acidentes, buracos, engarrafamento e alagamento, esta é a situação em que se encontram os bairros de Jardim São Paulo, Areias, Barro e Tejipó, assim como a BR-101 no trecho em que corta os mesmos. A pergunta da população é uma só: "Até quando?" E a sensação que existe é infelizmente de abandono.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias