Litoral Sul

Sem bares nem banheiros químicos, praias do Cabo viram sanitário público

Morador de Itapoama, terapeuta assiste o uso dos espaços públicos como mictório

Maria Luiza Borges
Maria Luiza Borges
Publicado em 04/10/2011 às 19:55
Leitura:

Recorro a vocês, mídia, quarto poder, que esclarece, desvenda, ajuda e único que os podres poderes parecem temer.

Em razão do acesso fácil, pela Reserva do Paiva, as praias de Itapoama, Enseada e Gaibu têm recebido aos domingos, principalmente, milhares de visitantes, dezenas de ônibus, sem um só sanitário químico, após a demolição dos bares. Como de costume, o povo não existe. Necessidades no mato, na praia, no mar, a que assisto, residindo em Itapoama. A quem atribuir a paternidade? construtoras, governantes, políticos? E não me venha com cinismos, que cocô e xixi não têm ouvidos. Se não há banheiros, que se distribuam fraldas descartáveis aos frequentadores.

Num livro editado recentemente, citamos Roberto Teixeira da Silveira, governador do Rio de Janeiro por 2 anos, exemplo maior de honestidade, trabalho e competência. Desapareceu ao nascer do sol, inspecionando cidades alagadas, sem paletó nem gravata. Envergonhe-se ou orgulhe-se, empregado do povo. Fraldas descartáveis. O mar agradece.     

Waldemir Matias  é escritor e terapeuta

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias