Interior

Poder público não consegue conter flanelinhas

Flanelinhas extorquiram cidadãos durante a maior festa do interior do Estado, em Caruaru

Thiago Neuenschwander Cavalcante
Thiago Neuenschwander Cavalcante
Publicado em 27/06/2012 às 16:10
Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem
Flanelinhas extorquiram cidadãos durante a maior festa do interior do Estado, em Caruaru - FOTO: Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem
Leitura:

Viva o São João de Caruaru, tudo muito bonito dentro do pátio, organizado, com polícia transitando de um lado para o outro e nos postos de observação também. Porém, onde estava a polícia do lado de fora do pátio, quando se precisa, para evitar a atuação descarada dos flanelinhas.

Na sexta-feira (22), quando cheguei ao pátio, estacionei o carro ao lado direito da Avenida Rui Barbosa, que é bastante movimentada. Quando desci do carro, um sujeito me abordou pedindo uma ajuda e outras pessoas próximas já estavam contribuindo com ele, falei para ele que no momento não tinha nenhum dinheiro trocado. O sujeito, não conformado, foi logo ameaçando: "mas não vai deixar o carro ai de bobeira não, né? Já sabe como vai encontrar ele quando voltar, né?".

Fiquei com muita raiva pelo desaforo do sujeito, um outro flanelinha que estava mais de longe, havia visto o bate-boca e se ofereceu pra olhar o meu carro e logo também foi cobrando antecipado (R$ 5). Demos então o dinheiro, para evitar algo pior ou alguma surpresa quando voltasse, como vidro quebrado ou carro arranhado.

No sábado, fui para o Alto do Moura. Lá chegando, procurei um lugar pra estacionar. Havia uma quantidade enorme de carros, mas também muito espaço e terreno baldio para se estacionar. Estacionei em um desses espaços e, logo que desci do carro, o flanelinha me abordou cobrando absurdamente R$ 20 para uma das tantas vagas que havia.

Eu fiquei muito irritado novamente e disse ao assaltante disfarçado de flanelinha que não pagaria esse valor. Ele baixou pra R$ 15. Insisti, dizendo que não pagava e disse que só pagaria R$ 5. Daí ele baixou novamente e só queria R$ 10. Não paguei, tirei meu carro de lá e procurei outro lugar pra estacionar (achei um lugar não paguei nada e tive sorte também de meu carro não ter nada).

Daí eu me pergunto: onde está a polícia para ver esse tipo de abuso com o cidadão e o turista? Cadê a prefeitura para fiscalizar isso? É impossível não ver, ou então fazem que nada está acontecendo!

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias