Para O Globo: em meio à crise, Rands deixa PT

Publicado em 05/07/2012 às 8:47
Leitura:
RECIFE - Depois de malsucedida pré-candidatura à prefeitura de Recife e de envolvimento na maior crise da História do PT pernambucano, o deputado federal Maurício Rands (PT-PE) decidiu ontem abandonar o partido, renunciar ao mandato na Câmara e se afastar da Secretaria de Governo na administração do governador Eduardo Campos. Rands está no terceiro mandato e há 26 anos era filiado ao PT. Na carta divulgada no fim da tarde, o agora ex-petista acusa a direção nacional do PT de ter provocado "ruptura" na legenda. Rands lançou a pré-candidatura à prefeitura de Recife com críticas ao correligionário, o prefeito João da Costa. E com ele disputou a indicação para a sucessão, com ajuda da corrente Construindo Um Novo Brasil, majoritária no estado. Mas foi derrotado nas prévias e levou o caso à Executiva Nacional, alegando que o prefeito a vencera com "compra deslavada de votos" e irregularidades nas listas de votação. A Executiva decidiu que nem João da Costa nem Rands tinham condições de unir o partido, e decidiu que o candidato "da unidade" deveria ser o senador Humberto Costa (PT-PE), que, no entanto, ainda não conseguiu unir a legenda. "Minha candidatura buscou construir uma legítima renovação dentro do PT e da Frente Popular. Mas lutamos, também, para renovar os procedimentos com o objetivo de reforçar as práticas democráticas. Porém, setores dominantes da direção nacional do PT já tinham outro roteiro que não o debate democrático com a militância do PT no Recife e a sua deliberação. Ou seja, cometeram o grave equívoco de ter a pretensão de impor, a partir de São Paulo, um candidato à Frente Popular e ao povo do Recife", disse. Com a crise do PT pernambucano, o principal partido da coligação, o PSB, afastou-se do antigo aliado. Na carta, Rands acusa a direção do partido de não ter dialogado com a militância e de ter ignorado que "existiam alternativas, procedimentos e quadros" que "unificariam a frente". "Com a decisão da direção nacional do PT, lamentavelmente, esta unidade resultou rompida. Diante de minha discordância com essa ruptura provocada pela direção nacional do partido, concluí que cheguei ao fim de um ciclo de minha vida de militante partidário". Por fim, ele declara apoio ao candidato da Frente Popular, Geraldo Júlio de Mello (PSB), indicado pelo governador Eduardo Campos. A direção nacional do PT não se manifestou sobre a saída de Rands. O governador, através de nota, lamentou a saída de Rands da vida pública: "O parlamento brasileiro perde o melhor representante de minha geração, o PT perde um grande militante e o nosso governo um extraordinário secretário". Também por nota, o candidato petista à prefeitura, Humberto Costa, disse que ficou surpreso com a decisão de Rands de se desfiliar do partido e apoiar a candidatura de Geraldo Júlio (PSB): "Lamento que sua decisão tenha sido tomada de maneira unilateral, sem um processo de avaliação ou discussão interna do partido".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias