Lula poupa Eike Batista e chega a dizer que não sabe se delação de empresário, registrada em vídeo, existiu

Publicado em 23/09/2016 às 15:01
Ex-presidente Lula (PT) concede entrevista à Rádio Jornal. Foto: Fabiano Lopes/Rádio Jornal
FOTO: Ex-presidente Lula (PT) concede entrevista à Rádio Jornal. Foto: Fabiano Lopes/Rádio Jornal
Leitura:
LULANAJORNAL Ex-presidente Lula (PT) concede entrevista à Rádio Jornal. Foto: Fabiano Lopes/Rádio Jornal   Na entrevista que concedeu à Rádio Jornal na manhã desta sexta (23), no programa do comunicador Geraldo Freire, o ex-presidente Lula (PT) adotou uma postura inusitada ao ser questionado sobre Eike Batista - empresário e delator da Lava Jato que implicou Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda. Lula chegou a questionar se a delação existiu. Somente após ser interpelado por Geraldo, que lembrou que a delação foi registrada em vídeo, Lula decidiu mudar a linha de argumentação e dizer que não sabia se a propina existiu. Mas sem atacar Eike ou defender Mantega: "Se ele [Eike] fez, ele cometeu um crime". Lula foi provocado a falar de Eike. Microfone livre, poderia ter dito qualquer coisa sobre o ex-bilionário que especulou e quebrou um império de mais de uma dezena de empresas, financiado por dinheiro do BNDES e divulgando informações questionáveis sob a omissão da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP).

Eike Batista, a face do capitalismo de "campeões nacionais" do PT

Como a delação do pernambucano Pedro Corrêa complicou Lula de vez

"Eu tive pouca relação com Eike Batista durante todo o meu mandato. O Eike Batista era tido e havido como o mais bem sucedido empresário brasileiro. Eu participei de um encontro em Comandatuba, chamado Hijos e Nietos de Los Hombres Más Ricos de La América Latina. Estava lá o Eike Batista disputando com o [Carlos] Slim, da Telefónica, quem era o homem mais rico do mundo. O Eike Batista dizendo que ia passar o Slim", disse Lula.

Malas de dinheiro e o Recife como centro de conexão de propinas da Lava Jato Pernambuco na Lava Jato: depois do transportador de dinheiro "Ceará", agora codinome é "Madeira"
 

Em seguida, falou que "ele [Eike] era uma figura bajulada. É só pegar o que se escrevia do Eike Batista. Eu nem sei se ele disse aquilo mesmo [a delação]. Se é verdade aquilo mesmo".

Como era uma afirmação um tanto estranha, o comunicador Geraldo Freire, então, interpela o ex-presidente para dizer que a delação passou até na TV, por ter sido registrada em vídeo. Só aí Lula muda a linha de argumentação:

"Se ele [Eike] fez, ele cometeu um crime. Se ele cometeu um crime, ele pague pelo crime que cometeu. Eu sinceramente acho que tem que ser assim o País, sabe? Eu não sei se é verdade o que ele falou. Por enquanto eu só ouvi ele. Eu não ouvi o Guido ainda. Não conversei com o Guido. Não sei se ele disse. Aquilo quem disse foi a mulher do João Santana. Então é um disse que disse perigoso".

Pode escutar a entrevista, no player abaixo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias