Coluna Cena Política

Os problemas de Bolsonaro que podem virar oportunidade

No ano que vem, ao invés de palhaço, para evitar falar sobre o PIB, Bolsonaro poderá levar um ator fantasiado de Covid-19. E não é difícil o vírus ser nomeado ministro da Economia logo depois.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 09/03/2020 às 12:37
Análise
Philip Fong/AFP
Coronavírus para ministro da Economia? - Philip Fong/AFP
Leitura:

Igor Maciel, da coluna Cena Política

O desafio de Bolsonaro para este ano seria conseguir mostrar algum tipo de resultado econômico para os empresários que o apoiam e para a população desempregada enquanto lida com os efeitos do Coronavírus, guerra internacional de Petróleo e a pressão do Dólar.

Mas, quem disse que ele quer esse desafio?

A economia faz presidentes e também os derruba. Fernando Henrique Cardoso (PSDB) experimentou essas duas faces. Ao equilibrar a moeda e a inflação em 1994, terminou eleito Presidente da República. Com uma crise econômica internacional no início dos anos 2000, perdeu popularidade e nem conseguiu fazer o sucessor.

Em 2020, enquanto o Coronavírus derruba as bolsas, o próprio Bolsonaro resolveu jogar um pouco de gasolina na fogueira convocando apoiadores para a manifestação do próximo dia 15. Todos sabem que as manifestações foram pensadas inicialmente para atacarem o Congresso e o Judiciário.

O presidente mostra que não está preocupado com o efeito que isso tem na economia, nas reformas que serão enviadas ao Congresso e muito menos com a saúde dos apoiadores que estarão aglomerados, num momento em que o mundo todo cancela shows e eventos esportivos para impedir a transmissão da doença.

É aleatório? Não, não é. O Coronavírus talvez acabe sendo uma grande oportunidade para que o presidente se esconda dos resultados econômicos, caso eles sejam ruins. Baixo crescimento do PIB de novo? Coloca a culpa no vírus que derrubou a Bolsa.

A convocação para a manifestação talvez seja uma oportunidade para deixar os deputados e senadores irritados e propensos a não votar a reforma administrativa que tantos problemas eleitorais pode causar a Bolsonaro, embora o texto tenha sido feito pela equipe dele próprio. Com raiva, eles não aprovam e Bolsonaro não fica mal com os funcionários públicos que são sua base eleitoral.

E até a crise do Petróleo, que vai fazer o Brasil perder muito dinheiro com a queda de ações da Petrobras, é uma nova oportunidade para o presidente lacrar eleitoralmente, dizendo que o preço baixa, mas os governadores não baixam os impostos.

No ano que vem, ao invés de levar um palhaço para evitar falar sobre o PIB, Bolsonaro poderá levar um ator fantasiado de Covid-19. E não é difícil o vírus ser nomeado ministro da Economia logo depois.

VEJA TODOS OS TEXTOS DA COLUNA CENA POLÍTICA

Comentários

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias