Coluna Cena Política

Políticos pernambucanos pedem foco no coronavírus. "Eleição fica pra depois"

Já existem ideias sobre alterar o calendário e empurrar eleições para o fim do ano, ou até aproveitar o momento para juntar todas as votações em 2022.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 19/03/2020 às 15:35
Análise
Foto: Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Na última terça-feira (28), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou uma campanha para regulação eletrônica do título de eleitor - FOTO: Foto: Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Leitura:

Cresce entre políticos pernambucanos a ideia de que, se não for o caso de adiar, ao menos uma decisão sobre o calendário eleitoral seja tomada o mais rápido possível.

Há datas já muito próximas nesse calendário, como o prazo para desincompatibilização do serviço público que inicia no próximo dia 4 de abril.

Com as previsões de que o pico da pandemia acontecerá somente em junho ou julho, até as convenções ficarão comprometidas.

O deputado federal André Ferreira (PSC) é um dos que defende que o foco precisa ser o combate à doença e não a eleição.

Danilo Cabral (PSB), também deputado federal, tem defendido que o dinheiro da eleição seja transferido para a contenção ao vírus. O socialista apresentou emenda à Medida Provisória que libera dinheiro para o Ministério da Saúde e solicitou que fosse utilizado também o dinheiro do Fundo Eleitoral, algo em torno de R$ 2 bilhões.

Além de tudo, candidatos não sabem como chegarão aos eleitores sem que haja contato com o público. Nos bastidores, há quem defenda até que a eleição seja adiada para o fim do ano ou para 2022, com votação para todos os cargos de uma vez.

E aí, toda a legislação eleitoral teria que ser alterada. O TSE, inclusive, não pode simplesmente mudar o calendário porque ele é definido em lei. Mas, algo terá que ser feito.

.

LEIA TODOS OS TEXTOS DA COLUNA CENA POLÍTICA

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias