Flexões em ônibus cheio

As contradições do governo de Pernambuco na reabertura da economia continuam

O vírus deve ser um grande inimigo das pessoas que correm no calçadão, na praia ou em parques tentando ficar saudáveis.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 17/06/2020 às 19:56
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Calçadão de Boa Viagem está fechado desde o decreto de lockdown, em maio - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

O governo de Pernambuco está tendo bons resultados no combate ao coronavírus, com diminuição na lotação dos leitos de UTI e baixo índice de infecção. Baseado nisso, tem tomado boas atitudes ao reabrir gradualmente a economia, com a segurança devida, fazendo a vida voltar ao mínimo normal necessário.

Mas tem algumas coisas que são muito difíceis de entender.

Uma delas foi terem liberado o comércio de rua e terem esquecido a necessidade de aumentar o número de ônibus circulando. As pessoas tiveram que ir trabalhar umas por cima das outras, arriscando-se a um aumento da contaminação.

Outra que está difícil de entender é ainda a proibição de acesso às praias e parques, até para quem vai fazer exercício, sozinho, ao ar livre.

Na prática, se você quiser, e conseguir, fazer exercício dentro do ônibus lotado está liberado, mas na praia não.

É sério, mas parece piada.

É sério porque estou falando de uma verdade jurídica.

Parece piada porque não há nada nos decretos que impeça alguém de fazer algumas flexões dentro do ônibus lotado, se alguém for louco o suficiente para isso.

Mas se a mesma pessoa for tentar fazer exercício no calçadão, ao ar livre, vai ser convidado a parar e ir pra casa, pela polícia, por estar desobedecendo um decreto estadual.

O vírus deve ser um grande inimigo das pessoas que correm no calçadão, na praia ou em parques tentando ficar saudáveis.

Tem mais, na prática, basta uma rápida ida nesses locais para ver que muitos continuam fazendo seus exercícios nas calçadas esburacadas da cidade ou arriscando a vida no meio da rua, entre os carros. Isso não está proibido, segundo os decretos do Governo.

Mas, se você estiver em Boa Viagem, por exemplo, atravessar a rua e for pro calçadão, "o vírus pega".

Não dá pra entender.

Comentários

Últimas notícias