Salto sobre balcão

Oposição que vira governo e o preço dos partidos políticos que atendem seus donos e não seu eleitor

Partidos custam muito caro. Mas, caro mesmo é ele existir em benefício de quem o integra e não de quem o sustenta.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 18/12/2020 às 12:07
MARCELLO CASAL JR / AGÊNCIA BRASIL
Calculando o mercado consumidor - FOTO: MARCELLO CASAL JR / AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Temos 33 partidos no Brasil brigando por uma fatia gorda dos nossos impostos.

A prática é que o brasileiro paga caro por um leque de opções em cada eleição, que atenda interesses públicos diversos.

Se for pensar bem, não faz sentido.

Porque esses interesses não seguem o fluxo do desejo popular, e sim das particularidades dos indivíduos que comandam essas siglas e seus acordos.

Vejamos PE e o mais recente salto por sobre o balcão da política local. O deputado estadual Marco Aurélio (PRTB), quando vereador, foi da base do PSB. Em 2018, virou o maior crítico do PSB e, justiça seja feita, o mais declarado bolsonarista. Venceu, conquistou uma cadeira.

E, logo de saída, quando a deputada Priscila Krause (DEM) ia assumir a liderança da oposição na Alepe, brigou para ficar com a função.

Fez críticas ao PSB de fazer corar o mais desbocado dos mortais.

Quando chegou a eleição de 2020, com um filho disputando cadeira de vereador, lançou-se candidato a prefeito. E, surpreendeu de novo, passou a maior parte da campanha brigando com os colegas de direita. Esqueceu o PSB.

Dizia-se de oposição, mas atacou o quanto podia o principal nome da oposição aos socialistas.

Ao fim, com o PSB vitorioso, diz ter sido procurado e decidiu oferecer, outra vez, seu apoio aos socialistas.

Um deputado da oposição, ao saber sobre a mudança, brincou: "retroativo a quando?".

Conclusão: partidos custam muito caro. Mas, caro mesmo é ele existir em benefício de quem o integra e não de quem o sustenta.

Algo parecido ocorreu na Câmara do Recife.

Rinaldo Júnior, que era líder da oposição, em setembro de 2019 filiou-se ao PSB e virou vice-líder... do governo.

Antes eleito com a força de sindicatos, muitos contrários à gestão PSB, agora não conseguiu mais se eleger.

Outra conclusão: o povo responde nas urnas.

 

Comentários

Últimas notícias