Cena Política

Padre Bianchi Xavier, que morreu nesta quarta (12), aliava o sacerdócio à política, inclusive como candidato

No interior, o padre era muito popular e teve o nome lembrado várias vezes para ser candidato em Bezerros e em Caruaru. Chegou a tentar a eleição uma vez em Santa Cruz do Capibaribe.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 12/05/2021 às 15:29
Notícia
REPRODUÇÃO/ARQUIVO PESSOAL
Padre Bianchi Xavier, da Diocese de Caruaru, no Agreste de Pernambuco - FOTO: REPRODUÇÃO/ARQUIVO PESSOAL
Leitura:

Aos 69 anos, morto nessa quarta-feira (12) em decorrência da covid-19, o padre Bianchi Xavier deixa uma história de dedicação aos 37 anos de sacerdócio, mas também muitas histórias na política e até na música.

Padre Bianchi, como era conhecido, chamava-se Manoel Francisco Xavier e já cantou em caravanas culturais promovidas pelo radialista Ivan Bulhões pelo interior de Pernambuco. Sim, ele também já foi cantor.

Como padre, tornou-se muito popular na paróquia de Santa Cruz do Capibaribe no início dos anos 1990. Ao ponto de, em 1996, virar candidato. Ele disputou a prefeitura da cidade e acabou derrotado, com margem pequena de votos.

O bom resultado o deixou famoso no meio político em toda a região. Ele aproveitava a influência para conseguir ajuda para os fiéis.

Depois, sempre que lhe perguntavam sobre a eleição, dizia que foi melhor ter sido derrotado e dava "graças a Deus" todo dia por isso.

"Você vê como está a política hoje em dia. Eu teria deixado a Igreja pra me dedicar a isso e estaria preso nesse sistema que não tem nada a ver com o trabalho que gosto de fazer que é ajudar as pessoas", comentou uma vez, em conversa com este colunista, quando já cuidava de uma paróquia em Caruaru, há alguns anos.

Novos convites não faltaram. Em Caruaru, teve propostas para ser candidato em 2016. Recusou.

Em Bezerros, por onde também passou como padre, o ex-prefeito Branquinho (PSB) teria lhe feito o convite para ser candidato em 2020. Não quis.

Estava satisfeito com o trabalho como padre e pretendia continuar assim.

Aí veio a covid.

Comentários

Últimas notícias