Cena Política

Bolsonaristas e petistas estão no mesmo time do "fundão eleitoral". Só muda o jeito de enganar, mas todo mundo lucra

Todos têm seu verbo, mas ninguém abre mão da verba. Uns dizem que é ruim, mas aprovaram. Outros não aprovaram, mas querem receber.

Igor Maciel
Cadastrado por
Igor Maciel
Publicado em 19/07/2021 às 10:45 | Atualizado em 19/07/2021 às 10:53
USP IMAGENS
O empréstimo consignado do Auxílio Brasil foi aprovado no dia 17 de março - FOTO: USP IMAGENS
Leitura:

O episódio do "fundão eleitoral" virou o cenário perfeito para o sempre bizarro desfile brasileiro de demagogia.

De um lado, partidos ligados ao presidente Jair Bolsonaro votaram a favor do aumento de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões e, depois, individualmente, os mais próximos ao presidente, como a caricata deputada Carla Zambelli (PSL-SP) e o filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) saíram para fazer discurso nas redes sociais reclamando do aumento.

Do outro lado, partidos como PT, PCdoB, PSB e PDT, fizeram discurso contra a aprovação, votaram contra o fundão, mas não se comprometeram em dizer que não iriam receber a verba, por exemplo.

Afinal, se é "imoral" (e, é!), por qual motivo pretendem usá-lo?

>>> Com novo fundo eleitoral, brasileiro vai gastar R$ 38,53 para votar em 2022

O PT, por exemplo. Tem sido até engraçado ver deputados e senadores petistas fazendo seus discursos de elevada moral e respeito pelo dinheiro público, enquanto o partido é o maior beneficiário da verba.

Em momento algum o PT disse que não irá usar o dinheiro. Em momento algum, os petistas afirmaram que abrem mão do "fundão".

Nesse espetáculo horrendo que é o desprezo político pelo esforço do pagador de impostos, o Congresso se divide entre quem faz bobagem, fingindo que não fez, e quem discursa contra a bobagem, enquanto toma proveito dela.

É o império da hipocrisia demagógica, num sistema em que isso dá votos.

Dar errado é a natureza do Brasil.

Comentários

Últimas notícias