Cena Política

Simone Tebet, a mulher que chutou portas para ser ouvida e quer ser presidente da República

A senadora poderia ser apenas mais uma filha de político que segue a carreira, sem nenhuma história própria. Mas, gente assim não chega à presidência.

Igor Maciel
Cadastrado por
Igor Maciel
Publicado em 24/05/2022 às 9:21
JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO
TERCEIRA VIA Simone falou em unir o País e que o povo tem pressa - FOTO: JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO
Leitura:

Tancredo Neves dizia sempre que “presidência é destino”. Ele mesmo virou prova disso. A seleção ganhou a Copa, impulsionou o Plano Real e ajudou FHC a virar presidente em 1994. Dilma virou presidente depois que todas as opções do PT foram derrubadas pelo Mensalão. Bolsonaro levou uma facada e ganhou horas e horas de cobertura na TV antes de virar presidente. Seria injusto dizer que todos são ausentes de uma história. Não é só destino. Bem ou mal, eles construíram algo antes. Qual a história de Simone Tebet (MDB)?


A senadora poderia ser apenas mais uma filha de político que segue a carreira, sem nenhuma história própria. Mas, gente assim não chega à presidência. Ramez Tebet, que foi senador, ministro e governador do Mato Grosso do Sul, viu a filha começar cedo a construir uma trajetória. Aos 16 anos ela já estava estudando Direito na UFRJ, emendando com especialização e mestrado. Com 22 anos já dava aulas de Direito em quatro faculdades.

Somente aos 32 anos Simone Tebet começou uma carreira política, depois de estar consolidada como referência na área jurídica. É verdade que o sobrenome ajudou a senadora na trajetória política, mas o pai quase não participou disso ativamente. Quando resolveu seguir a ocupação do pai e se candidatou à deputada estadual, Ramez Tebet já estava lutando contra um câncer que tirou sua vida em 2006. Simone se elegeu e se reelegeu prefeita de Três Lagoas, no MS, cidade em que nasceu. Em 2011, assumiu como a primeira mulher a ocupar a vice-governadoria do MS. Em 2015 foi eleita senadora.

Simone é uma mulher de personalidade muito forte. Quem convive com ela costuma dizer que ela é daquelas que ocupa espaço na sala quando entra. Muitos lembram da atuação dela quando se forçou a participar da CPI da Covid. Ela liderou um grupo de mulheres que reclamava da falta de representatividade feminina na comissão, com nomes indicados pelos partidos. Mesmo sem ser oficializada, costumava ocupar uma cadeira e fazia discursos e perguntas todos os dias aos investigados e convidados.
Mas houve outro episódio que mexeu com a história do Senado e pouca gente lembra. Simone Tebet foi quem articulou para que Renan Calheiros (MDB) não fosse presidente da Casa Alta em 2019. Ela queria ser presidente, para repetir a trajetória do pai. Ramez Tebet foi um dos mais destacados presidentes do Senado dos últimos anos, numa época em que dividia a casa com Antônio Carlos Magalhães, por exemplo.

Em 2019, Renan queria voltar à presidência do Senado para se reabilitar, após muitos problemas com a Justiça que o levaram a ser afastado do cargo pela Justiça em dezembro de 2016 e quase ser preso.

Como são do mesmo partido, Renan trabalhou para inviabilizar Simone e impedir que ela pudesse concorrer. Sem a maioria do apoio no próprio partido, ela ficava inviabilizada. Quando tudo parecia caminhar para que Renan vencesse a eleição, Tebet articulou uma reação. Foi buscar um senador de primeiro mandato e com pouco experiência em outro partido e convenceu os apoios que tinha a votarem nele.

Foi assim que Davi Alcolumbre (na época pelo DEM) se transformou em presidente do Senado.

Como parte do acordo, Simone virou presidente da Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante do Senado. Foi a primeira mulher a presidir esse colegiado desde a fundação do Senado Federal.

Em 2021, Simone tentou mais uma vez ser presidente do Senado. Chegou a vencer a indicação do partido e foi colocada como candidata pelo MDB. Tinha tudo para ser eleita.

Mas, Rodrigo Pacheco (PSD) prometeu cargos na mesa diretora para que o MDB abandonasse a candidatura de Tebet. E assim foi feito. Ela insistiu, foi candidata “avulsa” e perdeu a eleição por 57 x 21.

Esse episódio é o que tem sido lembrado agora para mostrar que não dá pra confiar no MDB. Quando João Doria (PSDB), finalmente, foi desistido pelos colegas de partido com o objetivo de apoiar Simone, a especulação era de que ela poderia apenas estar sendo usada e seria abandonada de novo, inclusive pelo próprio partido.

O cenário não é dos melhores. Lula (PT) tem a preferência de uma parte do MDB, Bolsonaro (PL) tem a preferência de uma parte do PSDB. Mesmo que não seja derrubada, a candidatura dela pode, sim, ser deixada à deriva.

Desde que chegou a Brasília, a senadora de 52 anos não teve vida fácil e precisou forçar sua entrada em certos círculos, chutou portas para entrar numa casa dominada por homens. Segue fazendo isso para ser candidata a presidente. Se vai ter sucesso, é outra história. O destino vai dizer.

Comentários

Últimas notícias