Cena Política

Pode ser no primeiro turno: Vai faltar oxigênio fora da polarização entre Lula e Bolsonaro

E analistas políticos garantem que nada está resolvido. Bolsonaro segue com chances, apesar das pesquisas atuais.

Igor Maciel
Cadastrado por
Igor Maciel
Publicado em 27/05/2022 às 15:40
TOMAS CUESTA/AFP E ISAC NÓBREGA/PR
Bolsonaro e Lula. Lula e Bolsonaro. Sem espaço para ninguém mais. - FOTO: TOMAS CUESTA/AFP E ISAC NÓBREGA/PR
Leitura:

Simone Tebet (MDB) cresceu 100% nas pesquisas. Seria algo animador para o mundo fora da polarização entre Lula (PT) e Bolsonaro (PL), se isso não significasse que ela saiu de 1% para 2%.

Está muito no início, mas o desafio da senadora que está para assumir a posição de representante do “centro democrático” caso o PSDB decida por apoiá-la, está entre o difícil e o impossível.

Analistas políticos e estrategistas, debruçados sobre pesquisas, apontam que a polarização é algo sem volta e tem uma força de atração muito pesada. Na prática, não haverá oxigênio suficiente fora do maniqueísmo bolsolulista.

E, sem oxigênio, tudo definha, nada floresce.

Um desses estrategistas, em conversa com a coluna, aposta que Ciro Gomes (PDT), por exemplo, deve “derreter” até 4% ou 5% com a aproximação da campanha. E Tebet, caso vá até o fim, deve estacionar na faixa dos 3% ou 4%.

Não é por falta de empenho ou capacidade dos candidatos. É falta de oxigênio na atmosfera mesmo.

O cenário, para estes analistas, está longe de restar definido entre Lula e Bolsonaro. Qualquer um dos dois pode vencer a eleição, apesar do que dizem pesquisas quantitativas apontando vantagem grande de Lula.

Mas, a chance de um deles vencer a disputa já no primeiro turno é cada vez maior. O pleito pode acabar já no início de outubro, sim.

Comentários

Últimas notícias