OPINIÃO

Mais de 36 milhões de brasileiros receberam ao menos uma dose da vacina contra covid-19

O Brasil atingiu nessa segunda (10) mais uma importante marca na campanha nacional de imunização contra covid-19 ao superar um milhão de primeiras doses aplicadas em 24h: exatas 1.032.164. Leia a opinião de Cláudio Humberto

Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
Publicado em 11/05/2021 às 8:46
Notícia
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Vacina contra covid-19 - FOTO: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Leitura:

Aplicadas 1 mi de primeiras doses

O Brasil atingiu nessa segunda (10) mais uma importante marca na campanha nacional de imunização contra covid-19 ao superar um milhão de primeiras doses aplicadas em 24h: exatas 1.032.164. Ao todo, foram mais de 1,6 milhão de vacinas, o melhor resultado para o mês de maio e o segundo melhor para o País desde o início da vacinação, em 17 de janeiro. Houve também a aplicação de 585 mil segundas doses, o que elevou o número de brasileiros 100% imunizados a mais de 18 milhões. Desde o início da campanha, 36,3 milhões de brasileiros receberam ao menos uma dose e 18,3 milhões estão completamente imunizados. Com a redução da faixa etária e mais doses, o recorde de 1,8 milhão de doses do dia 23 de abril está cada vez mais próximo de ser quebrado.

CPI e a prisão de Pazuello

O governo trabalha com a informação, levada por aliados no Congresso, de que a CPI da covid tenta criar um pretexto para decretar a prisão do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que deve depor no dia 19. Na avaliação dos governistas, o objetivo seria desmoralizar o general e o próprio governo, na tentativa de reverter a impressão de que até agora a CPI não conseguiu evoluir no sentido de comprometer o presidente da República de tal modo que pudesse desestabilizar o atual governo. Para não ser preso, Pazuello teria de obter no STF um habeas corpus preventivo para depor como investigado, com direito de ficar calado. A suspeita é baseada na tentativa de construir um clima hostil para o ex-ministro, acusando-o de "desrespeitar" a CPI. O primeiro "desrespeito" seria a alegação de contato com infectados por covid para adiar seu depoimento, versão que membros acham mentirosa. A mais recente tentativa de "armar" a prisão do ex-ministro é que a CPI teria "detectado" que ele manobra para não depor como testemunha.

Ignorância

Assessores informais da CPI defendem que Pazuello seja tratado de "senhor" e não "general". Santa ignorância. "Senhor" é o mais adequado, mas pode ser também "você". Esquisito seria chamá-lo de "senhora".

O depoente

Torcedores da CPI, que faltaram às aulas de pronomes de tratamento, não sabem se tratam Pazuello de "vossa excelência". Como cidadão comum, o certo é "vossa senhoria", devido a ministro e não a ex-ministro.

Virou bullying

A CPI da covid poderá convocar novamente para depor o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, acusado por senadores de oposição a não responder como eles desejavam. Virou bullying.

This is Brazil

Viralizou vídeo do jornalista sueco Henrik Jönsson xingando e perseguindo trombadinha após tentativa de furto do seu celular, na Av. Paulista. O sueco escreveu que "Bolsonaro sufoca a cultura no Brasil".

Milhão útil

O mês de abril foi o primeiro a terminar com a média de doses aplicadas acima de um milhão por dia útil. Foram 20,6 milhões de vacinas contra a covid aplicadas em 20 dias. O ritmo cai apenas durante o fim de semana.

Pelegos

Agarrada como carrapato ao atraso, a pelegada da Caixa tenta demonizar criação do banco digital. Dizem ser desculpa para "esvaziar estatal e acelerar a privatização". Para essa gente, modernidade dói.

Frase

"Não faço diferenciação. Bandido é bandido e vice-versa" - Deputado José Medeiros (Pode-MT) sobre quem tenta racionalizar a divisão do Rio entre facções e milícias

 

Comentários

Últimas notícias