COLUNA CLÁUDIO HUMBERTO

Mesmo com melhoria do nível das hidrelétricas, Aneel e governo não deixam a conta de energia cair

Não se fala em reduzir valor das "bandeiras da extorsão"

Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
Publicado em 30/12/2021 às 6:50
Análise
Foto: Cemig
Termelétricas geram (e faturam) mais entre setembro e dezembro deste ano do que durante todo 2020 - FOTO: Foto: Cemig
Leitura:

A melhoria do nível nas hidrelétricas, com as chuvas, deixou submersa a "crise hídrica" que serviu de pretexto para acionar as termelétricas e multiplicar o valor da conta de luz. Mas não se fala em reduzir valor das "bandeiras da extorsão", no governo e nem na agência "reguladora" Aneel. Ali estão os santos protetores do melhor negócio do mundo: 3,1 mil termelétricas que sugam o cidadão, como o caso da Usina Térmica Uruguaiana, da J&F, dos irmãos Batista, até R$ 24 milhões por dia. Usada em países africanos remotos, de geração hidrelétrica inviável, as termelétricas são caras e atrasadas, além de muito poluentes. Feliz como pinto no lixo, André Pepitoni, presidente da Aneel, já deu a má notícia (para nós): as contas de luz aumentarão 19% em 2022. Sob a "proteção" da Aneel e governo, termelétricas geram (e faturam) mais entre setembro e dezembro deste ano do que durante todo 2020. O Operador Nacional diz que nunca se gerou tanta energia como em agosto: 14.1 GWh, 12% a mais que no auge da crise hídrica de 2015.

 

Gasto cai, mas segue escandaloso

FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL
O setor da aviação foi um dos mais atingidos pela crise causada pelo coronavírus no ano passado e ainda não se recuperou completamente - FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL

Neste ano de 2021, o gasto com viagens de funcionários públicos, terceirizados e até "convidados eventuais", bancadas pelo pagador de impostos, é o menor dos últimos cinco anos, mas continuam escandalosos: R$ 537,4 milhões. Curiosamente, as passagens aéreas representam apenas 31% desse custo. Mais de R$ 335 milhões (63%) serviram para pagar diárias dos viajantes do governo federal. Em 2019, ainda no período pré-pandemia, os gastos com viagens foram de R$ 1,29 bilhão. Foi a menor despesa do tipo desde 2015. Uma sargento da Polícia Militar do Amazonas cedida ao Ministério da Justiça é o servidor que mais recebeu diárias, este ano: R$ 108,2 mil. O servidor que representou o maior gasto com viagens em 2021 custou quase R$ 138 mil em 2021. Em 2018, o mais "caro" custou R$ 308 mil.

Boa iniciativa

O presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães, comemorou a extinção da CaixaPar, a holding de investimento criada pelo banco em 2009, penúltimo ano do governo Lula, e que rende problemas no TCU desde 2015. "Não há nenhuma necessidade", explicou Guimarães.

Quanto é rico?

O pré-candidato a presidente Sergio Moro garante que "não enriqueceu no setor público, nem no privado". Vale registrar que o salário médio de um juiz federal é R$ 32 mil por mês, segundo o Portal da Transparência.

Ainda muito

A associação de telecoms registrou queda de 28,4% nas reclamações de usuários em novembro, em relação a 2020. Ainda assim, foram mais de 162 mil queixas num mês sobre operadoras de celular e TV paga.

A nata voa

A pandemia da covid gerou uma grande migração de passageiros da aviação comercial para a executiva (particular). Rogério Andrade, CEO da Avantto, diz que houve a alta de 50% nas horas voadas em 2021.

Inflação

A FGV divulgou queda significativa do IGP-M este ano, em relação a 2020. Apesar da alta de 17,8% no índice que é utilizado para reajustar aluguéis, o valor ficou bem abaixo dos 23% registrados ano passado.

Imóveis 'nossos'

Mais de 93% dos quase 1.300 imóveis que pertencem ao governo federal estão localizados nos prestigiosos bairros da Asa Sul e Norte, no Plano Piloto (Brasília), onde o metro quadrado vale mais de R$ 8 mil.

Frase

Esse governo é como a Seleção de 1994" - Secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, sobre como o governo é criticado, mas vai trazer o título colocando o País de volta aos eixos

Comentários

Últimas notícias