Easy e Cabify se unem contra Uber

Publicado em 22/06/2017 às 21:20
Companhia brasileira e espanhola vão ampliar participação na América Latina Foto: JC Imagem
FOTO: Companhia brasileira e espanhola vão ampliar participação na América Latina Foto: JC Imagem
Leitura:
Companhia brasileira e espanhola vão ampliar participação na América Latina Foto: JC Imagem O aplicativo Uber ganhou um concorrente de peso com a parceria firmada entre os aplicativos de transporte privado Cabify e Easy – antiga Easy Táxi. Antes rivais, a companhia espanhola e a brasileira decidiram unir esforços para a ampliar a participação das plataformas na América Latina e enfrentar a concorrência do Uber e 99 Taxis. O novo passo na briga pelo mercado de mobilidade urbana começou a ser dado no fim de 2016, de acordo com informações veiculadas pela agência de notícias Bloomberg. A fusão ocorre em um momento de disputa intensa entre as plataformas de transporte privado no Brasil. Além das recorrentes promoções oferecidas pelas companhias e investimentos feitos no setor, o Uber passa por uma reestruturação global, com a troca do presidente da empresa e a 99 recebeu um aporte de US$ 200 milhões de empresas como a Didi Chuxing, o Uber chinês e a japonesa Softbank. »Comissão aprova obrigação para órgão público oferecer internet sem fio »Comissão de Defesa do Consumidor aprova rastreamento de encomendas pelo CPF

Holding

Segundo comunicado enviado pelas empresas, ambas as partes assinaram um acordo de aliança. Como parte dessa aliança, a Cabify e a Easy continuarão a oferecer produtos que se complementam e seguem operando cada uma sob sua atual estratégia e equipes de gestão separadas. A holding afirma que levantou US$ 100 milhões como parte de uma rodada de investimento que será concluída nos próximos meses. A Cabify já levantou US$ 243 milhões desde sua fundação, em dezembro de 2011. “Assim como na indústria automotiva, onde você tem Hyundai e Kia, Nissan, Renault e Mitsubishi com alianças estratégicas, mas operando diferentes negócios, esta é a nossa visão atual para a aliança da Easy com a Cabify. Percebemos que nossas visões de melhorar a mobilidade nos mercados onde operamos são muito semelhantes e, por meio dessa aliança, estamos ansiosos para continuar a tornar essa visão realidade em todos os nossos mercados”, declarou Juan de Antonio, CEO do grupo. Em abril, a plataforma anunciou que investiria US$ 200 milhões no Brasil. Hoje, a Cabify opera em cerca de doze países, incluindo Espanha, Portugal e vários na América Latina. A empresa é avaliada em US$ 1 bilhão – a Uber atualmente vale entre US$ 62,5 bilhões e US$ 64,6 bilhões. »Integrante de comissão de formatura dá calote de R$ 50 mil; veja como evitar esse tipo de golpe »Saiba quem tem direito a receber a indenização nos seguros de vida Já a Easy levantou US$ 77 milhões em sua história – a última rodada foi em fevereiro de 2016. Criada em 2011, com foco em táxis, a empresa perdeu espaço com a chegada do modelo do Uber e do Cabify. Entretanto, a criação da holding coloca as duas startups no mesmo nível de competição das outras plataformas do segmento. O grupo formado será liderado por Juan de Antonio. As operações da Cabify global passam a ser lideradas por Ricardo Weder. Não haverá mudanças na estrutura de liderança da Easy. “Easy apresentou recentemente o seu melhor trimestre da história e, agora, com esta aliança estratégica, acreditamos que estaremos em uma posição ainda melhor para continuar atraindo talentos, investimentos e crescendo nosso negócio”, acrescentou Dennis Wang, co-fundador da Easy. A Bloomberg revelou ainda que a Cabify tem ambições maiores, e está em busca de investimentos para conseguir ampliar sua atuação nos países em que já trabalha. Para concretizar essa movimentação, são necessários, pelo menos, US$ 300 milhões. »Teste mostra os melhores smartphones com preço de até R$ 1.500 »Na falta de troco, comércio deve arredondar preço para baixo »Banco pode cobrar taxa de conta salário?

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias