Comércio

Como garantir o presente no Dia dos Pais sem ficar endividado

Nível de endividamento das famílias pernambucanas é alto, mas é possível comemorar o Dia dos Pais sem estourar o orçamento. As dicas são do economista da Fecomércio-PE, Rafael Ramos.

Edilson Vieira
Edilson Vieira
Publicado em 05/08/2020 às 19:55
Notícia

Arquivo pessoal/cortesia
LEMBRANCINHA Para Júlia Madeiro, "importante é valor simbólico" - FOTO: Arquivo pessoal/cortesia
Leitura:

A publicitária Júlia Madeiro é do tipo que adora presentear. Familiares e amigos, todos merecem atenção e a famosa “lembrancinha”. Neste Dia dos Pais, não será diferente. “O presente vai ser duplo porque também será o primeiro Dia dos Pais do meu marido”, disse a publicitária. Para não estourar o orçamento ela não escolhe presentes caros, mas algo que tenha valor simbólico. “Este ano, vou comprar camisas personalizadas para os dois, com aquelas frases que enaltecem a paternidade”, afirmou Júlia, que deve gastar em torno de R$ 150 com os presentes.

>> RioMar com diversas opções de presentes para o Dia dos Pais

Já a educadora física Jéssyca Fernandes tem o desafio de ajustar o desejo do pai de ganhar um celular mais moderno ao orçamento da família. “Estamos pesquisando as ofertas, mas teremos que apelar para o parcelamento no cartão”, planeja Jéssyca. Ela não estipulou um valor máximo para a compra, mas, para viabilizar o presente, vai dividir o custo do produto com um irmão. “Sempre usamos essa estratégia para não deixar o nosso pai na mão. Compramos um presente só, e dividimos. Também é uma forma de conseguir dar um presente um pouco mais caro”, afirmou.

DÍVIDAS

A Fecomércio-PE avaliou a intenção de comemorar o Dia dos Pais e a proporção de endividados no estado. Cerca de 69% dos pernambucanos pesquisados disseram que tem a intenção de comemorar a data este ano. É o maior nível registrado dentro do cenário da pandemia, acima das datas anteriores como Dia das Mães e Dia dos Namorados. Ao mesmo tempo, o endividamento no estado alcançou a maior taxa (73,9%), para o mês de julho, desde 2011.

Segundo a Fecomércio, só neste mês, quase 380 mil famílias pernambucanas estão endividadas. O receio do comércio é que este número permaneça alto em agosto, já que a maioria dos pernambucanos informaram na pesquisa que pretendem comprar os presentes do Dia dos Pais com o cartão de crédito, meio de pagamento responsável por 92% dos boletos atrasados, apontou o estudo.

Para o economista da Fecomércio-PE, Rafael Ramos, não é interessante para o comércio estimular compras que gerem endividamento. “As dívidas acumuladas quebram o ciclo de consumo. Quem se endividar agora, não fará novas compras mais adiante”, ressaltou o economista. Para Rafael Ramos, a opção prioritária pelo cartão de crédito tem a ver com a falta de educação financeira. “É o tipo de crédito mais fácil de se obter e utilizar, embora pratique juros exorbitantes para quem atrasa a fatura”. Ramos também aponta o mau uso que é feito do cartão de crédito. “Ter muitos cartões com datas diferentes de vencimento, usá-lo todo mês como se fosse uma extensão de renda e ainda emprestá-lo a familiares e amigos. Tudo isso contribui para a inadimplência”, diz o economista.

ESTRATÉGIAS

Para Rafael Ramos, o ideal é planejar a compra, fazê-la se possível à vista e adequar o gasto à realidade da família. Outra dica é ter, no máximo, dois cartões de crédito com datas de vencimento iguais ou próximas, para concentrar os pagamentos no mesmo período. Dividir o valor do presente entre os familiares (como fez a Jéssyca, citada na reportagem) também é uma boa estratégia.

Uma curiosidade é que tem aumentado a utilização dos carnês de lojas. Em junho último, 16% dos consumidores declararam utilizar esses tipos de crédito. Em julho, o percentual aumentou para 23%. “Por conta da alta inadimplência no cartão, a aprovação de crédito ficou mais difícil, então as famílias apelam para o carnê, que pode ser uma linha de crédito até mais cara que o próprio cartão”, alertou Ramos.

Arquivo pessoal/Cortesia
A educadora física Jéssyca Fernandes vai garantir o presente do pai dividindo o valor da lembrança com o irmão - FOTO:Arquivo pessoal/Cortesia

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias