O que escrever sobre bullying na redação do Enem

Publicado em 03/11/2017 às 20:11
Leitura:
Combate ao bullying no Brasil é uma das apostas da equipe docente do Colégio Santa Maria como tema da redação do Enem. O episódio mais recente, que chocou o País, foi o de um adolescente de 14 anos que matou dois colegas e feriu outros quatro no Colégio Goyases, em Goiânia (GO), no dia 20 de outubro. A aposta da escola não se justificativa por causa desse caso. Até porque na data em que ocorreu, as provas do Enem já estavam impressas. Em Pernambuco, por exemplo, os malotes com os testes chegaram bem antes, em 10 de outubro. A prova de redação será aplicada domingo, junto com os testes de ciências humanas e de linguagens. "O tema é uma das grandes apostas no Enem, já que faz parte da realidade dos jovens brasileiros. A dificuldade de combater o bullying advém do fato de que tanto escolas públicas quanto particulares parecem não reconhecer que isso é um problema realmente sério, já que é frequentemente confundido com “uma brincadeirinha inocente”, ressaltam os professores do Santa Maria. A pedido do Blog do Fera, os docentes fizeram um esquema para ajudar os estudantes a escreverem uma dissertação com esse tema. Vale lembrar que existe uma lei que obriga as escolas a combater o bullying (Lei 13.185/2015), embora poucas ações tenham sido efetivadas. Prova disso é que a Pesquisa Nacional de Saúde escolar mostrou que o número de jovens afetados por esse problema aumentou nos últimos anos. Exemplo de projeto de texto: Aumento do bullying: a Pesquisa Nacional de Saúde Escolar (IBGE) revela que 46,6 % dos jovens de 13 a 17 já sofreram bullying. Na última pesquisa eram cerca de 30%. Argumentação Por que é tão difícil combater o bullying? * Muitas vezes as vítimas têm receio de relatar a pais e orientadores. * O bullying é, frequentemente, desvalorizado, por ser considerado uma “brincadeira”. * A Lei 13.185/2015 ( que entrou em vigor em fevereiro de 2016) determina que seja feita a capacitação de docentes e equipes pedagógicas para implementar ações de prevenção e solução do problema, assim como a orientação de pais e familiares, para identificar vítimas e agressores. Também estabelece que sejam realizadas campanhas educativas e fornecida assistência psicológica, social e jurídica às vítimas e aos agressores. Segundo o texto, a punição dos agressores deve ser evitada “tanto quanto possível” em prol de alternativas que promovam a mudança de comportamento hostil. A Lei já é um avanço significativo, mas ainda não prevê como será feita a fiscalização e a punição de entidades que não a cumprirem. Proposta de intervenção: * Dar maior visibilidade à Lei, através da divulgação nos meios de comunicação, e fiscalizar o seu cumprimento. * Implementar projetos pedagógicos voltados para a conscientização dos efeitos do bullying , através de aulas , dinâmicas de grupo, depoimentos, palestras... * Dar assistência psicológica aos agressores e às vítimas do bullying.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias