A um mês do Enem, dica é revisar assuntos e praticar redação

Publicado em 04/10/2018 às 10:50
Foto: Marcos Santos / USP Imagens
FOTO: Foto: Marcos Santos / USP Imagens
Leitura:
Foto: Marcos Santos / USP Imagens Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil A exato um mês para realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcado para os dias 4 e 11 de novembro, especialistas  recomendam revisões cuidadosas e prática de redação. A avaliação tem 5,5 milhões de inscritos em todo País. Para o coordenador pedagógico do Colégio Mopi, no Rio de Janeiro, Luiz Rafael Silva, os estudantes devem fazer um planejamento de estudo e ir, aos poucos, desacelerando o ritmo. “Mais simulados no início desse período, controlando o tempo, contando inclusive o tempo para preencher o cartão de respostas. O dia antes da prova deve ser de relaxamento, senão o aluno vai estar ansioso e isso vai ser um problema” afirma. “Trinta dias é um tempo curto, mas é sim possível fazer algum nível de preparação”, disse o coordenador pedagógico do pré-vestibular Alub, em Brasília, Leonardo Silvério. Para ele, nesse tempo, o ideal é se concentrar na realização de exercícios. Ele recomenda que os alunos façam pelo menos uma redação por semana e que baixem as edições anteriores do Enem, disponíveis no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). “A ideia não é que o estudante simplesmente resolva, mas que resolva com tranquilidade, de maneira a absorver o conteúdo. Assim, ele vai conhecendo o sistema de prova e vai conseguindo filtrar como cada conteúdo é cobrado na prova”, explica. É importante também, desde já, dormir e se alimentar bem, para garantir um bom desempenho e evitar ansiedade nos dias do exame.

Ansiedade

No dia do exame, um dos maiores inimigos dos estudantes é a ansiedade, segundo professores.  A um mês da prova, os professores recomendam beber muita água, fazer exercícios físicos e dormir bem. “Os estudantes ficam muito ansiosos e, nessa ansiedade, comem e bebem. Só que muitas vezes, comem e bebem coisas estimulantes, para não sentir sono. [Na reta final], devem dormir bem e evitar estimulantes, como café, chocolate, açúcar e refrigerantes, que aumentam a sensação de ansiedade”, disse Silvério.  

Foco

  O estudante Carlos Henrique Serrado está no último ano do ensino médio no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, no Rio de Janeiro (Cefet/RJ). Nas últimas semanas de preparo, ele foca em matemática, ciências da natureza e redação, matérias com maior peso para o curso que deseja, ciência da computação, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). “As questões do Enem não são difíceis, o problema é a quantidade delas. Atualmente tenho duas preocupações: tempo e nervosismo. Cada vez mais estou tentando fazer redações ou exercícios mais rápidos, pois, no ano passado, quase não tive tempo de terminar a prova do segundo dia”, disse. Ano passado, quando fez a prova como treineiro, Carlos Henrique afirma chegou a tomar um calmante, mas mesmo assim teve dificuldades para lidar com o nervosismo. “Não conseguia ler direito os enunciados, principalmente os de filosofia, pois tinham textos enormes, ficando cada vez mais ansioso por não conseguir responder”, recorda o estudante.  

RESISTÊNCIA

O coordenador pedagógico do Colégio Mopi, no Rio de Janeiro, Luiz Rafael Silva, ressalta que a prova do Enem vai além das habilidades específicas exigidas para os estudantes, é preciso ter resistência. “O Enem, além de ser uma prova, mede competências, habilidades e conteúdos. É uma prova de resistência. É uma prova que aluno consegue ter êxito se consegue controlar ansiedade e emoções”, diz Silva. Ele recomenda atividades voltadas para o relaxamento e, na semana anterior ao exame, “não ficar tão voltado a rever questões e conceitos, ter segurança no que já foi trabalhado”.

Provas

No primeiro dia do exame, no dia 4, serão aplicadas as provas de linguagem, ciências humanas e redação. A aplicação terá 5h30 de duração. No segundo dia, dia 11, haverá provas de ciências da natureza e matemática. Os estudantes terão cinco horas para resolver as questões. O exame seleciona os estudantes para vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas de estudo em instituições privadas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e vagas no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias