Nada de LGBT ou racismo: veja temas de questões do Enem 2019

Publicado em 03/11/2019 às 16:02
Uma das questões do Enem abordou a dificuldade de pessoas com deficiência e como superá-la. Foto:  Igor do Vale / Estadão
FOTO: Uma das questões do Enem abordou a dificuldade de pessoas com deficiência e como superá-la. Foto: Igor do Vale / Estadão
Leitura:
Uma das questões do Enem abordou a dificuldade de pessoas com deficiência e como superá-la. Foto: Igor do Vale / Estadão Elton Ponce O primeiro dia de prova do Enem 2019 cumpriu a promessa do ministro da Educação, Abraham Weintraub, e não tratou de questões consideradas pelo MEC como "ideológicas". A reportagem do Jornal do Commercio fez a prova neste domingo (03), no Bloco G da Universidade Católica de Pernambuco, na Boa Vista, Centro do Recife. Temas como racismo e intolerância contra a população LGBT não foram sequer mencionados em nenhuma das 90 questões das provas de linguagens, ciências humanas e tampouco na redação, que abordou a democratização do acesso ao cinema pelos brasileiros. No entanto, a prova de linguagens e suas tecnologias trouxe assuntos importantes, como o culto ao corpo perfeito e os problemas da obesidade; as dificuldades das pessoas com deficiência física e como superá-las - em questão que cita uma quadrinista surda que faz seus desenhos sem uso de palavras-, a violência contra a mulher, situação dos refugiados e os direitos e deveres da liberdade de expressão. Esse último tem fez uma referência a Pernambuco, pois trata-se de uma campanha do Ministério Público Estadual a respeito da importância do respeito à liberdade de expressão, mas também às responsabilidades que vêm com ela. Já na prova de ciências humanas e suas tecnologias destaca-se uma das primeiras questões, que trata da intolerância religiosa contra religiões de matriz afro-brasileiras.

O que mudou no Enem entre os governos Temer e Bolsonaro

Nenhuma citação foi encontrada nas 90 questões de linguagens, códigos e suas tecnologias e de ciências humanas e suas tecnologia. Em 2018, na prova de linguagens, por exemplo, temas como racismo, machismo e cultura LGBT. Uma das questões teve “A imagem da negra e do negro em produtos de beleza e a estética do racismo” como título do texto a ser analisado. A finalidade era saber se o aluno entendia o que é um artigo acadêmico. Em outra, um "dialeto secreto" utilizado por gays e travestis explorado. Questões deste tipo não passaram nem perto do exame deste ano.
 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias