Cinema lidera porcentualmente, na UFPE, a preferência de alunos de fora de Pernambuco no Sisu 2020

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 05/02/2020 às 9:13
Leitura:
[caption id="attachment_8492" align="aligncenter" width="748"]"" Corina (com envelope azul nas mãos) veio de Minas Gerais para cursar cinema na UFPE. Foto: Acervo Pessoal[/caption]Cinema é o curso da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) com percentual maior de candidatos de fora do Estado aprovados pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2020, ultrapassando medicina, que ocupou a primeira posição no ano passado. Das 50 vagas em cinema, 54% foram preenchidas por jovens que não residem em Pernambuco. Em segundo lugar aparece arqueologia, com 50% (de um total de 30 vagas). Medicina ficou na terceira colocação, com 49,3% das 140 vagas. As matrículas dos novatos acabaram ontem. Também ontem foi o último dia para se inscrever, no Sisu, nas listas de espera (remanejamentos) de todas as instituições participantes.Corina Santiago Santos, 19 anos, é mineira. Será uma das alunas de cinema da UFPE. Chegou segunda-feira ao Recife, efetuou a matrícula na tarde de terça-feira e vai embora hoje. Só retorna agora no segundo semestre, quando as aulas começarem (a graduação tem apenas segunda entrada).?Em Belo Horizonte nenhuma universidade pública oferece o curso de cinema. Teria que entrar numa faculdade particular e não era isso que queria. Tentei vestibular da USP, em São Paulo, mas não passei. Pesquisei sobre o curso na UFPE e gostei. Foi minha primeira opção no Sisu?, conta Corina.O que mais pesou na escolha, no entanto, foi o mercado cinematográfico do Estado. ?O cinema produzido em Pernambuco é muito conhecido em todo o País. Avaliei a qualidade da graduação, mas as possibilidades do mercado foram decisivas para minha opção pela UFPE?, ressalta Corina.Os paulistas Marcelo Ranieri, 21, e Matheus Devitte, 20, também estavam terça-feira na UFPE para a matrícula em medicina. Nenhum dos dois conhecia a capital pernambucana. Eles tentaram aprovação em pelo menos cinco faculdades públicas de São Paulo, sem sucesso. Na inscrição do Sisu, colocaram a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) como uma das opções, mas acabaram ficando na UFPE.?O estímulo à iniciação científica foi um dos pontos de que mais gostei da UFPE. A riqueza cultural de Pernambuco também me atraiu?, diz Matheus. Ele passou três anos buscando aprovação em medicina. Como teve que morar na capital paulista (a família é do interior), pagava em média R$ 3.500 mensais de aluguel, alimentação e cursinhos. ?Acredito que aqui vou gastar menos?, comenta.Em 2019, 62,1% dos feras aprovados no primeiro listão do Sisu, para medicina, no Recife, eram de fora (em 2018 foram 55,72% e em 2017, 59,28%). O reitor Alfredo Gomes pretende implementar, no processo seletivo de 2021, um bônus na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) dos concorrentes de Pernambuco.A medida, segundo ele, não será para 100% dos cursos. O percentual do bônus também ainda não foi definido. Esse benefício já existe hoje para medicina do câmpus de Caruaru, no Agreste (10% a mais na média). É com a nota do Enem que os candidatos concorrem às vagas do Sisu.?Não sou contra a bonificação para alunos de Pernambuco, pois realmente o ensino em São Paulo é mais puxado porque lá os vestibulares são mais disputados?, afirma Marcelo. A previsão do reitor é anunciar as mudanças até junho deste ano.

COTAS

Nesta quarta-feira (05) à noite a UFPE vai divulgar, no hotsite do Sisu (www.sisu.ufpe.br), as listas dos candidatos cotistas que tiveram a aprovação validada pelas comissões de raça (pretos e pardos) e para pessoas com deficiência. A universidade não informou o horário.?Aqueles considerados aptos terão os nomes publicados. Quem for inapto receberá a informação por e-mail?, explica a diretora de Gestão Acadêmica da UFPE, Kátia Cunha. Como já houve a pré-matrícula, não há necessidade de o estudante comparecer novamente na UFPE. A vaga dele é automaticamente confirmada, segundo Kátia.Foram 663 candidatos selecionados nas cotas para deficientes, 2.284 para pretos e pardos e 550 na cota de renda. Vale lembrar que o primeiro critério, para todos, é haver cursado todo o ensino médio em escola pública.

OCUPAÇÃO

Levantamento preliminar da Pró-reitora Acadêmica da UFPE mostra que sete graduações tiveram 25% ou mais das vagas ocupadas por candidatos de outros Estados. Esse percentual considera o primeiro listão do Sisu 2020Percentual Curso Total de vagas ofertadas54% cinema 5050% arqueologia 3049,3% medicina 14047,8% oceanografia 2530,8% biomedicina 12029,2% engenharia da computação 10025% arquitetura 100

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias