Reforma em marcha lenta

Felipe Vieira
Felipe Vieira
Publicado em 09/05/2011 às 17:27
Leitura:
Alunos e professores da Escola Albertina da Costa Soares, em Camela, distrito de Ipojuca, esperam pelas novas salas  que começaram a ser construídas há seis meses, mas ainda não ficaram prontas, segundo denúncia do Sintepe.  No lugar onde seria a fossa séptica, há apenas um buraco com água fétida que atrai  uma multidão de mosquitos.  A comunidade escolar está sujeita a contrair doenças, convivendo diariamente com o mau cheiro, e ainda corre o risco de sofrer um acidente, caindo no buraco.
Além dos problemas estruturais, a unidade não tem vigilantes, as máquinas de xérox estão quebradas e as salas são feitas de madeirite. Se chover, os alunos ficam sem aula. Assim caminha a educação.
""

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias