Fim do monopólio

Copergás barra aumento da Petrobras de 15% no GNV ao atrair novos fornecedores

Caso a Petrobras permanecesse como fornecedora única da Copergás, o reajuste seria de 15%. Entrada da Shell e New Fortress possibilitou manutenção do preço do GNV

JAMILDO MELO
JAMILDO MELO
Publicado em 26/01/2022 às 10:32
Marlon Diego/Copergás/Divulgação
Frota total de carros com GNV em Pernambuco já é de 77.151 veículos - FOTO: Marlon Diego/Copergás/Divulgação
Leitura:

A Companhia Pernambucana de Gás (Copergás ) informou, nests quarta-feira, que atingiu o principal objetivo, de forma pioneira no Brasil, buscar novos fornecedores de gás natural, além da Petrobrás. Com a iniciativa, diz a empresa, o produto GNV não terá reajuste em Pernambuco a partir de 1º de fevereiro.

Afora a Petrobrás, a Copergás também tem como fornecedores a Shell e a New Fortress (que atende especificamente os municípios de Petrolina e Garanhuns, por meio do projeto de rede local). Se a empresa contasse apenas com o fornecimento da Petrobrás, o reajuste seria de 15,90%.

"Ao deixar de depender da Petrobras como fornecedor único foi possível manter os mesmos preços do GNV praticados no trimestre passado", afirmou o governador Paulo Câmara, comemorando por meio de nota.

Segundo a empresa, foi o cálculo médio ponderado das tarifas dos três provedores que permitiu à empresa pernambucana manter até abril o mesmo preço cobrado no trimestre anterior (novembro, dezembro e janeiro). A revisão do preço do GN ocorre quatro vezes ao ano – em fevereiro, maio, agosto e novembro.

A Shell começou a fornecer o combustível à Copergás neste mês de janeiro.

O contrato assinado entre as duas empresas, em 2020, prevê que sejam fornecidos 750 milhões de m³/dia de gás, o que representa quase 50% do mercado não-termelétrico atendido pela empresa pernambucana.

A partir de 2023, esse volume passará para 1 milhão de m³/dia.

Já a Petrobrás, este ano, fornecerá 790 milhões de m³/dia. Os volumes distribuídos em Petrolina e Garanhuns ainda são pequenos e têm pouco peso no número global.

“O nosso pioneirismo, ao selecionar, novos fornecedores, começa a apresentar seus bons resultados. Esse ganho de competitividade será compartilhado com toda a cadeia produtiva de Pernambuco, atendida por nossa rede de distribuição. Esse sempre foi o objetivo do governador Paulo Câmara, que trabalhou para que a Companhia soubesse aproveitar as oportunidades criadas pelo novo mercado do gás natural no País”, disse o presidente da Copergás, André Campos.

"A mesma estratégia se aplica ao projeto de Rede Local, inaugurado, em outubro do ano passado, em Petrolina (Sertão do São Francisco) e que está chegando também a Garanhuns (Agreste Meridional). stamos levando desenvolvimento e aumentando a competividade desses polos regionais, criando novas oportunidades de emprego e melhorando a renda local. Seguimos o planejamento do Plano Retomada, apresentado pelo governador e pelo secretário Geraldo Júlio (Desenvolvimento Econômico).”

Fiepe/Ciepe
Presidente do Centro das Indústrias de Pernambuco (Ciepe), Mássimo Cadorin - Fiepe/Ciepe

Reação dos empresários

Depois que o blog revelou a notícia, em comunicado aos seus associados, o presidente do Centro das Indústrias de Pernambuco (Ciepe), Mássimo Cadorin, comemorou a manutenção do preço do gás natural em Pernambuco, anunciado pela Copergás nesta quarta (26).

“Estamos colhendo mais um bom resultado da parceria entre o Ciepe e a Copergás, através do seu presidente André Campos e equipe, que mantém o diálogo aberto com a indústria e empresas e se mostra sensível na busca de soluções em prol do desenvolvimento”, declarou Cadorin.

Comentários

Últimas notícias