COMPROVA

Humberto Costa usa dados imprecisos para atacar família Bolsonaro

O senador Humberto Costa (PT-PE) usou dados imprecisos para atacar Jair Bolsonaro (PL) e seus filhos políticos, aponta o projeto Comprova

Augusto Tenório
Cadastrado por
Augusto Tenório
Publicado em 13/05/2022 às 8:48
AGÊNCIA SENADO E PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
Segundo Bolsonaro, Humberto desconhecia a atuação do governo federal na crise da covid-19 em Manaus - FOTO: AGÊNCIA SENADO E PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
Leitura:

O senador Humberto Costa (PT-PE) usou dados imprecisos para atacar Jair Bolsonaro (PL) e seus filhos políticos. A apuração é do projeto Comprova de combate à desinformação, verificada pelo Nexo, CBN, Estadão, O Dia, SBT e Correio Braziliense.

A evolução patrimonial indicada para o é de 427%, enquanto a de seus filhos é de 397%, no caso do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e de 432% no do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP).

Como indica o Comprova, as contas de Humberto Costa publicaram uma peça na qual associa-se a evolução do preço do combustível ao crescimento do patrimônio da família Bolsonaro.

"Há a indicação do período de um ano apenas no preço da gasolina, o que sugere que os outros números, referentes à família do presidente, também se referem ao mesmo período", pontua a apuração do Comprova.

O aumento de 116% no preço da gasolina, apontado na peça compartilhada pelo senador, foi calculado a partir de um período de três anos, (2019-2022), e não de um ano, como sinaliza o post. Enquanto isso, o aumento do patrimônio sinalizado na publicação faz referência a um período de 12 anos (de 2006 a 2018).

Ao Comprova, a equipe de Humberto indicou que os dados foram obtidos através de três matérias da imprensa e levantamento feito pelo pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) junto com a Federação Única de Petroleiros (FUP).

"Somente no perfil do senador Humberto Costa no Facebook, a publicação alcançou mais de 4,1 mil reações e 3,4 mil compartilhamentos até o dia 12 de maio", calcula o Comprova.

Comentários

Últimas notícias