ELEIÇÕES 2022

Lula passa Bolsonaro em estado que 'dita' vitórias nas eleições presidenciais; saiba mais

Saiba qual é o estado com maior "acertos" nas eleições

Lorena Lins
Cadastrado por
Lorena Lins
Publicado em 20/06/2022 às 15:19
Reprodução
Lula (PT) e Bolsonaro (PL) lideram as pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República - FOTO: Reprodução
Leitura:

Segundo a Folha de São Paulo, o estado de Minas Gerais possuí uma grande influência na questão de resultados presidenciais. Dados da Justiça Eleitoral, analisados pelo jornal, mostram que Minas Gerais tem seus resultados eleitorais mais assertivos em relação à escolha de candidatos.

O estado de Minas mostra comportamento ou de esquerda ou de Direita. Após Bolsonaro (PL), a predileção é por Lula (PT) no mesmo nível da preferência nacional.

A pesquisa Genial/Quest de maio aponta que o petista tem 44% das intenções de voto dos mineiros, contra 28% de Bolsonaro (PL) E 5% de Ciro Gomes (PDT) para o primeiro turno, com margem de erro de 2,5 pontos percentuais.

O professor Fernandes da PUC Minas explica que o estado mineiro tem grande variedade regional. O estado se encontra na região Sudeste, porém tem 249 de 853 circunscritos atuando na Sudene (Superintendência do Desenvolvimento Do Nordeste) por questões socioeconômicas e climáticas.

Minas Gerais está atrás apenas de São Paulo, que tem o maior colégio eleitoral do Brasil, 33,1 milhões, enquanto Minas tem 15,8 milhões.

No ano de 2002, o maior perceptual de votos foi para Lula, fazendo com que José Serra ficasse em segundo lugar. Ato de decisão que ocorreu em 2010 e 2014.

O estado mostra históricos similares a preferência dos candidatos eleitos, por exemplo, Dilma (PT) teve 46,91% de preferência ao total pelo país, e os mineiros tiveram 46,98% nas eleições de 2010. Serra com 23,19% e no estado 22,86% em 2002. Ambos no primeiro turno.

Especialistas apontam que isso se deve ao fato do estado mineiro ser o que melhor mostra sua diversidade quando se trata de termos demográficos, geográficos e socioeconômicos.

Comentários

Últimas notícias