NA MIRA DA PF

O que a PF sabe sobre os autores de plano para enforcar Moraes; suspeitos serão revelados em breve

Segundo o diretor-geral da Polícia Federal, a corporação já vinha conduzindo investigações sobre os autores desse plano

Imagem do autor
Cadastrado por

Marcelo Aprígio

Publicado em 05/01/2024 às 13:10 | Atualizado em 05/01/2024 às 13:18
Notícia
X

O plano para assassinar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), está prestes a ganhar um novo episódio.

Isso porque o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Andrei Rodrigues, anunciou que os nomes dos responsáveis já serão revelados em breve.

"A PF está debruçada sobre essa pauta e sobre toda sorte de barbárie. A gente teve a possibilidade da identificação [dos suspeitos], saberemos em breve quem são", declarou Rodrigues em entrevista ao canal GloboNews.

Segundo Rodrigues, a PF já vinha conduzindo investigações sobre os autores desse plano. Embora não tenha fornecido mais detalhes, o diretor da Polícia Federal assegurou que a corporação está profundamente comprometida com o assunto.

"As informações foram extraídas de trocas de mensagens oriundas de apreensões e de prisões, de todo o trabalho investigativo sendo feito e que segue em curso", acrescentou o diretor-geral da PF, ressaltando que a situação é "absolutamente grave" porque houve "monitoramento do ministro" por parte dos suspeitos.

  • Quer ficar informado sobre política, eleições e tudo que envolve o jogo do poder? Clique aqui para se inscrever no nosso canal do WhatsApp.

PLANO PARA MATAR ALEXANDRE DE MORAES

Foi o próprio Alexandre de Moraes que expôs o plano durante uma entrevista ao jornal O Globo, na quinta-feira (4). 

De acordo com o ministro, no dia em que apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) tentaram invadir o Congresso Nacional e as sedes dos outros poderes, havia diversos planos elaborados contra ele.

O mais chocante deles, apelidado de "o mais exaltado", propunha a prisão e enforcamento de Moraes na Praça dos Três Poderes.

O ministro ainda mencionou a participação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no monitoramento de seus movimentos.

O diretor da PF considera esse monitoramento por parte da Abin como uma atitude inadequada e ilegal. O uso de tal ferramenta para vigiar Moraes, ele afirmou, "jamais deveria ter sido utilizado por uma agência que não tem a devida autorização legal".

INVESTIGAÇÃO

Andrei Rodrigues declarou ainda que uma investigação está em curso para identificar os responsáveis por essa vigilância.

Ele destacou a gravidade da situação, referindo-se ao plano contra Moraes como algo "absolutamente sério".

A descoberta desse plano, segundo ele, ocorreu por meio da análise de mensagens que estão sendo investigadas, o que pode levar à identificação das pessoas envolvidas. Contudo, o diretor não forneceu mais detalhes sobre os responsáveis neste momento.

Tags

Autor