Coluna JC Negocios

Depois do Covid 19 veio o Putin2020

Como a nova briga dos russos como a Arabia Saudita fez a nossa economia sofrer um terremoto na bolsa que chegou a ter os negócios interropidos depois de cair 10,02%

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 09/03/2020 às 12:23
Notícia
Foto: AFP
As bolsas de valores de todo o mundo registraram queda recorde nesta segunda feira devido expectativas prejuízos das ações das petroleiras. - Foto: AFP
Leitura:

Por Fernando Castilho do JC Negócios

Para quem não entendeu direito porque é que o Corona vírus - que atende pelo nome de Covi19 - e está impactando a economia global desde o final do ano passado, se acostumar com o termo “circuit breaker” dá uma confusão enorme na cabeça.

Porque é que no meio dessa tempestade de notícias sobre a repercussão na negativa economia global que, em janeiro, fez a China isolar uma metrópole com 12 milhões de pessoas e neste final de semana Itália isolar uma região com 30 milhões de pessoas, aparece esse tal de "circuit breaker" aqui no Brasil ?

Bom, para quem não está familiarizado com os termos que os caras do mercado de capitais usam na Bolsa, “circuit breaker” é uma parada geral quando as ações caem mais de 10% e todo mundo entra em pânico querendo vender os seus papéis. Tipo aquela música de Raul Seixas “pare o mundo que eu quero descer”. Pois bem: Hoje, pela manhã, todo mundo quis descer do mundo de ações. E por que todo mundo queria sair da Bolsa?

É aí que o presidente da Rússia, Vladimir Vladimirovitch Putin entra. Ou melhor, entrou desde a madrugada de domingo. O problema começou quando a Arábia Saudita - que é dona de um terço das reservas de petróleo de alta qualidade do mundo - propôs reduzir a produção para que os preços parassem de cair.

A gente no Brasil não tem muita informação, mas o fato é que como a produção mundial de petróleo está em alta, o consumo caindo (por força das energias renováveis), os preços estão caindo.

Só para dar um número. No mercado futuro, o preço do barril caiu ontem de US$ 65 para U$ 35. Os árabes querem um ajuste na produção. Mas é aí é que entrou o Putin. A Rússia produz petróleo, mas ganha dinheiro é com o gás de petróleo que ele vende para metade da Europa. Se ele atendesse aos árabes - que são os verdadeiros marajás do negócio -seria dar um tiro no pé da economia da Rússia que precisa desse dinheiro.

O presidente russo disse que não topava e aí a Arábia Saudita disse aos operadores que estava “liberando” as restrições de produção que ela mesma tinha se imposto. Dito de uma forma bem simples: vou inundar o mercado e os preços vai cair devido ao alto volume de produção.

E o que o Brasil tem a ver com isso ? Tudo! Porque o problema não é o preço do petróleo baixar de US$ 65 para US$ 35. O problema é o nosso ter baixando de US$ 18 para US$ 11. E aí alguém pode perguntar: E por que a Petrobras não pegar esse petróleo e transforma em gasolina e óleo diesel? Não é assim tão simples.

As nossas refinarias, acredite, forma desenhadas na década de 70 para processar os petróleo dos árabes. O nosso óleo, mesmo o do Pré-sal é de um tipo mais grosso e é mais barato no mercado internacional. Aliás, foi por isso que a refinaria Abreu e Lima foi construída para usar esse nosso petróleo.

Então, como a Petrobras vai precisar de muito mais dólares resultantes da venda do nosso petróleo para comprar o petróleo dos árabes, as ações dela despencaram.

Certo, mas ela tem tanta influência na Bovespa? Tem. As ações da Petrobras - junto com as da Vale e os grandes bancos - dominam as operações. Assim, quando ela cai como caiu hoje pela manhã em 20% levou as demais de arrasto. Foi tão forte que às 10h30h, as operações foram suspensas e só voltaram as 11h08.

E por que o dólar disparou? Isso também tem ligação. Quando a economia vai mal, o investidor sai procurando dólar. Porque a moeda americana é um porto seguro. No começo do século passado, as pessoas compravam ouro, mas hoje elas compram dólares para se proteger.

Agora imagine todo mundo querendo comprar dólar hoje pela manhã? Então, a explicação pode ser assim. Subiu porque todo mundo quer comprar dólar. E foi por isso que o Banco Central entrou vendendo US$ 3 bilhões para "esfriar" o mercado. Não deu um banho de água fria, mas baixou a temperatura.

Mas porque isso assusta tanta gente? Bom assusta porque a crise do Conona Vírus já estava derrubando as bolsas no mundo tudo. Então, uma briga de russos e árabes tem o potencial de atrapalhar toda a economia que já sofria com o efeito do Covid19. Lembra daquela expressão “em cima de queda, coice”. Pois bem! Temos isso hoje.

Então, se você junta o Covid 19, essa briga dos árabes e as declarações de Bolsonaro não tem economia que aguente. O Banco Central já prevê que não vamos chegar a 2% de crescimento. Assim a chamada tempestade e notícias ruins se formou.

Bom, o ministro da Economia, Paulo Guedes disse que o Brasil observa com tranquilidade a alta do dólar. Isso ajuda? Claro! O que ele tem que dizer isso. Imagina se ele dissesse que com essa crise o país vai ter queda de crescimento? Está certo e ele tem que dizer isso mesmo. E rezar para que o presidente não se meta a falar sobre economia hoje. Ou como diz a sabedoria popular. Se não você pode ajudar, não atrapalhe.

LEIA MAIS TEXTOS DA COLUNA JC NEGÓCIOS

Comentários

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias