Coluna Jc Negócios

Os excluídos do home office

Com as restrições de circulação e a permanência de pessoas em casa, toda a cadeia de suprimentos de serviços que trabalha para quem trabalha será paralisada.

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 14/03/2020 às 21:39
Notícia
Ambulantes tomam conta das calçadas e pedestres ficam quase sem espaço FOTO:
Leitura:

Por Fernando Castilho do JC Negócios

Texto foi publicado na edição do Jornal do Commercio de 14/03/2020

Agora que o governo federal e o ministério da Saúde começam a organizar o pacote de restrições para a circulação de cidadãos nas cidades cabem duas máscaras de conversa sobre que elo da cadeia produtiva vai sofrer mais. Quem vai pagar a maior parte da conta e como será possível traçar planos para reorganizar a economia depois que ela se desorganizar, como deve acontecer nos próximos meses.

A crise do Covid-19 primeiro vai piorar a economia para depois começar a melhorar. Com sorte, e uma melhor gestão, no segundo semestre. Dito de outra forma: a cadeia de produção industrial vai precisar ser parada para depois ser reativada.

De início, isso inviabiliza a economia informal, que precisa de gente na rua para subsistir. É quem processa e vende comida, presta serviços pessoais e empresariais de forma não regularizada e quem supre, de maneira informal, as cadeias formais da economia.

É o MEI, o microempresário, o prestador de serviço. Quem não é nem MEI, o homem ou a mulher que faz oferece pequenos serviços específicos eventuais e, é claro, as pessoas que vendem comida pronta e prestam serviços, como de beleza e cuidados a terceiros. Com as restrições de circulação e a permanência de pessoas em casa, toda a cadeia de suprimentos de serviços que trabalha para quem trabalha será paralisada.

A questão não será dramática no setor privado nem no público, que devem adotar estratégias como o home office. A crise da Covid-19 pegará um país onde mais de 50% da população economicamente ativa já não tem emprego formal para trabalhar e que, por isso, precisa estar nas ruas para obter renda. Um mercado que, se não deixar de existir, no mínimo, será suspenso por meses.

LEIA MAIS TEXTOS DA COLUNA JC NEGÓCIOS

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias