Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Ministério da Economia estima rombo nas contas do governo, por força da covid-19, em R$ 800 bilhões

O total de despesas direcionadas ao enfrentamento da crise é de R$ 505,4 bilhões. A maior parte está sendo gasta com Auxílio Financeiro Emergencial no valor de R$ 254,2 bilhões.

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 18/08/2020 às 23:30
Notícia
MARCOS SANTOS/USP IMAGENS
De modo geral, quem opta pela poupança, tem pouco conhecimento sobre o mundo dos investimento - FOTO: MARCOS SANTOS/USP IMAGENS
Leitura:

Por Fernando Castilho da Coluna Jc Negócios 

Um estudo da Secretaria de Política Econômica, do Ministério da Economia divulgado, nesta terça-feira, revela que os impactos fiscais das medidas de combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil, projetam um déficit nas contas do governo da ordem de quase R$ 800 bilhões, equivalente a 11% do PIB.

O total de despesas direcionadas ao enfrentamento da crise é de R$ 505,4 bilhões. A maior parte desse dinheiro está sendo gasta com Auxílio Financeiro Emergencial no valor total de R$ 254,2 bilhões. Esse dinheiro está indo para 66,4 milhões de pessoas que, até agora, já receberam R$ 161 bilhões onde R$ 62,2 bilhões pagos apenas aos inscritos no Programa Bolsa Família.

Segundo o Ministério da Economia, o esforço brasileiro já atingiu 7,3% do PIB projetado para 2020. É muito acima da média de 4,1% para 17 países em desenvolvimento e também acima da média de 30 países da OCDE (6,3%).

O Ministério da Economia diz que o déficit primário estimado para o governo é de R$ 787,4 bilhões. Isso representa quase seis vezes a meta prevista para 2020 no Orçamento Geral da União, fixado em R$ 124,1 bilhões na Lei de Diretrizes Orçamentárias. Para o setor público, o déficit é de R$ 812,2 bilhões.

Uma sondagem feita pelo Sistema Prisma Fiscal, do Ministério da Economia, revela que até julho, as expectativas de mercado para 2020 retratam a excepcionalidade imposta pela crise sanitária que não estava prevista em nenhum cenário.

E que em linhas gerais, as previsões mensais até setembro são de queda na arrecadação da Receita Líquida em níveis muito elevados.

Mas revela que, a partir de setembro, as expectativas são de aumento de receitas, traduzindo algum otimismo com relação à recuperação da atividade econômica.

Os estudos indicam que as previsões oficiais do resultado primário indicam que, em outubro e novembro, podemos chegar a um pequeno superávit (em torno de R$ 5 bilhões) bem mais otimistas que as projeções de mercado que estimam o resultado primário de -R$ 26 bilhões em setembro e -R$ 40 bilhões para outubro.

Também nesta terça-feira, o relatório da Caixa Econômica sobre o Auxilio Emergencial diz que o número de assistidos segundo a Caixa subiu para 66,4 milhões de assistidos 36,7 milhões incluídos nos cadastros do governo que sequer sabia de sua existência até março.

Apenas para esse segmento, a Caixa pagou R$ 73,1 bilhões. Os beneficiários do Bolsa Família estão recebendo R$ 62,2 bilhões e os R$ 10,5 milhões inscritos no CadÚnico receberam R$ 25,7 bilhões.

Mas a informação mais interessante está no volume de recursos transferidos para o Nordeste: R$ 55,6 bilhões. Pernambuco que tem mais de 1,2 milhão de inscritos no Bolsa Família recebeu R$ 9,3 bilhões. Como no Nordeste tanto o Bolsa Família como no CadÚnico o Nordeste tem 50% dos inscritos, isso eleva a importância da transferência de renda para a Região.

 

Comentários

Últimas notícias