Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho
JC Negócios
Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Chance de apagão é mínima, mas conta de energia vai subir em 2021

ONS despachando energia térmica (que custa cinco vezes mais que a energia gerada no Complexo Paulo Afonso) para guardar água.

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 02/12/2020 às 11:00
Notícia

Divulgação
Contas de energia embutem uma enorme quantidade de tributos. - FOTO: Divulgação
Leitura:

Por Fernando Castilho da Coluna JC Negócios

A decisão da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) decidiu na última segunda-feira em implantar a bandeira vermelha patamar 2 na conta de luz, com a cobrança adicional de R$ 6,24 por cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos é para dar um chega para lá no consumidor.

Ao contrário do as chances de o Brasil ter apagões como está registrado na história é próxima de zero. Pelo simples fato da interligação, aí sim a grande conquista do setor elétrico brasileiros a partir do governo FHC.

Para quem nasceu depois da adoção do Real é importante saber que nós sim já enfrentamos uma apagão e isso aconteceu porque não se podia mandar grande blocos de energia entre as Regiões. Tínhamos energia no Norte, mas não podíamos mandar para o Sudeste. Então o que o presidente está dizendo é uma bobagem porque, depois de duas décadas a energia solar e eólica gerada no Rio Grande do Norte pode ser mandada para o Rio Grande do Sul pelo ONS.

Mas aí o freguês está se perguntando: Com Sobradinho cheio, com cada vez mais usinas eólica rodando e com um novo parque de geração solar chegando como se justifica a bandeira vermelha.
Consumo. O Brasil voltou com tudo. A indústria está rodando mais, o consumidor usando mais seus novos eletrodomésticos e as pessoas socializando mais. No final estamos voltando ao consumo pré-covid-19.

Então. que que o ONS está fazendo é despachar mais energia térmica - que custa cinco vezes mais que a energia gerada no Complexo Paulo Afonso  - para guardar água. O nome disso e energia armazenada.

Claro que a cobrança extra é um recuo com relação a decisão tomada pela própria Aneel em maio, que previa a manutenção da bandeira verde, sem custo adicional, até o fim do ano para evitar sobrecarregar os consumidores em meio à pandemia.

Mas como diz a agência essa revisão foi necessária diante da queda do nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas e da retomada do consumo de energia com o fim das medidas de isolamento.

Ou seja, a população está aglomerando geral. Mas a possibilidade de racionamento é descartada. Ao contrário do que dia Bolsonaro em nome do governo "é zero" a chance de apagão.

O problema é que no Brasil a gestão de entrega de energia está muito vinculada a pressão dos distribuidores. Primeiro pro cauda da tributação. Segundo porque em 2020 houve um crescimento da inadimplência descapitalizando as empresas. E aí sobra para o consumidor que paga tudo.

As pessoas não prestam atenção, mas na fatura nossa de cada mês tem um pacote de tributos. Por exemplo a energia mesmo custa 30,85% da fatura. O resto é 22,72% da distribuidora, 4,37% para a transmissão, 7,30% de perdas técnicas, mais 4,38% de encargos setoriais e acredite: 30,38% de imposto.

Tem mais: Como tudo nesse setor é muito bem medido e contabilizado todas as vezes que acontece um problema como no Amapá, sobra para o consumidor nacional.

Então a questão não é subir o preço da energia para evitar um apagão. A questão é que no setor elétrico não tem um única lâmpada acesa de graça. Tudo é pago.

Mas para os próximos meses, é preciso esperar e avaliar como o período úmido, que começa agora e vai até abril, irá se comportar para definir as estratégias de operação. Mas sem esse papo de apagão.

Comentários

Últimas notícias