Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

No país do futebol, metade dos jogadores profissionais ganha apenas um salário mínimo

Mesmo tendo 80 mil atletas federados, apenas 12% recebem salários acima de R$ 5.000,00

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 30/06/2021 às 19:05
Notícia
AFP
Neymar e Mbappé são os principais jogadores do PSG. Neymar o terceiro mais bem pago. Mbappé é o quarto. - FOTO: AFP
Leitura:

Uma pesquisa da plataforma CupomValido.com.br reunindo dados da CBF, Statista e da consultoria Ernst & Young sobre o futebol, seus negócios, faturamento de remuneração do atletas profissionais no Brasil revela um dado estarrecedor: Mais da metade (55%) dos atletas federados ganha apenas um salário mínimo e que 88% deles recebem até R$ 5 mil.

A pesquisa identificou que o Brasil possui 7.020 clubes registrados, e 874 clubes profissionais ativos. A grande maioria está concentrada no Sudeste com 39% do total, sendo Minas Gerais o estado com a maior concentração de clubes.

Fonte: CBF, Statista, Ernest &Young - CupomValido.com.br
Salários no futebol - Fonte: CBF, Statista, Ernest &Young - CupomValido.com.br

O Brasil possui mais de 360 mil atletas registrados, sendo que 25% são profissionais, ou seja, o chamado Mercado da Bola cuida da carreira de aproximadamente 80 mil atletas que apostam numa carreira dentro de campo.

Para fazer o estudo a plataforma usou somente salários baseados na CLT, ou seja, não foi considerada os direitos de imagens, que podem alcançar até 40% do salário. É sobre essa base, por exemplo que são feitos os recolhimentos dos tributos como FGTS, INSS, férias e verbas rescisórias que sustentam atividade legal e previdenciária.

Centro econômico do País, a região que paga o melhor salário é o Sudeste, com uma média de R$15.000. Essa região tem 64% do montante total gasto com salários. O Nordeste é a região que paga o menor salário, com uma média de R$1.000.

O sonho de jogar futebol é alimentado por ícones internacionais jovens que saíram de seus países para fazer sucesso nos principais campeonatos da Europa com destaque para os da Espanha, Inglaterra e França países que povoam o sonho de milhares de jovens.

É nesse cenário que é o referencial quando comparamos os salários dos melhores atletas.

Neymar (Paris Saint-Germain)  é o brasileiro com o maior salário, com R$ 405 milhões por ano. Ao considerar ganhos com publicidade e patrocínios, o valor sobe para R$ 501 milhões.

O atleta brasileiro fica está entre os três mais bem pagos no mundo ficando atrás do Cristiano Ronaldo (Juventus) com rendas de R$ 610 milhões, e do jogador mais bem pago do mundo, Lionel Messi (Barcelona) com R$ 657 milhões. Na lista estão ainda Kylian Mbappe (Paris Saint-Germain) com R$ 219 milhões e Mohamed Salah (Liverpool) com R$ 193 milhões.

JOSEP LAGO / AFP
Cristiano Ronaldo marcou dois gols na vitória da Juventus por 3x0 sobre o Barcelona - JOSEP LAGO / AFP

No fundo, todos os atletas brasileiros sonham um dia estar próximo de alguns desse três ídolos.

Mas chegar a esses números é um sonho distante. Segundo a pesquisa, no Brasil, 80% do valor total dos salários está concentrado em apenas 7% dos atletas.

Os jogadores de sucesso acabam virando empresas para pagar menos imposto de renda. Eles declaram seus rendimentos sob a classificação de empresas tributadas sob lucro presumido dentro da classificação de “serviços sociais e de saúde” junto com médicos, advogados, engenheiros, arquitetos, jornalistas, escritores, artistas. Eles pagam 8% de Imposto de Renda.

O problema é que comparando ao mercado europeu e mais recentemente ao da China e dos países árabes o Brasil é um país onde o negócio futebol é modesto. No Brasil, o futebol é um esporte que movimenta um volume estimado de R$ 52 bilhões.

A receita dos maiores clubes, crescem a cada ano com o aumento de publicidade e da popularidade do esporte. E quanto mais os clubes ganham em receita, maior é disponibilidade para oferecerem salários melhores.

Esse mercado consequentemente, como muitos times com mais caixa, disputam os poucos jogadores mais visados, isso faz com que os salários destes poucos jogadores aumentem exponencialmente.

 

LLUIS GENE / AFP
CRAQUE Messi é a atração do Barcelona no duelo diante do PSG, clube que tem interesse em sua contratação - LLUIS GENE / AFP

A grande maioria, porém, fica bem distante desses números.

O problema é que do ponto de vista econômico o futebol no Brasil é um negócio que não se sustenta. Para um faturamento anual de R$ 52 bilhões a dívidas de clubes esportivos com a União somam quase R$ 5,3 bilhões, de acordo com informações da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) enviadas ao Valor via Lei de Acesso à Informação (LAI) ao jornal Valor Econômico em 2020.

Os dados incluem débitos que estão em situação irregular (em processo de efetiva cobrança) e regular (garantidos, parcelados ou suspensos por decisão da justiça.

 

Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br
Salários no futebol - Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br

Os 60 clubes presentes nas três principais divisões do Campeonato Brasileiro de 2021 têm quase R$ 1 bilhão em dívidas abertas com a União Federal. De forma precisa, R$ 904.591.851, com aumento de 8,2 mi sobre 2020 (+0,9%). Os números estão à disposição através do aplicativo “Dívida Aberta”, da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). A consulta pública lista todos os contribuintes com dívida ativa junto à União e com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Mais de 3,5 mil clubes esportivos e sociais têm dívidas relativas ao não pagamento de impostos, contribuição previdenciária e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), segundo o levantamento, referente a novembro. Mas os valores devidos são discrepantes: os dez primeiros colocados no ranking concentram, juntos, quase metade do total da dívida.

Segundo levantamento da Pluri consultoria, empresa especializada em gestão, governança, finanças e marketing esportivo, os 35 maiores clubes país têm uma dívida total R$ 2,4 bilhões.

"A dívida trabalhista representa 43% da receita somada desses clubes. Só no último ano, de 2017 para 2018, ela cresceu 10%. Crescimento quase duas vezes a inflação do período. Crescendo ainda em ritmo acelerado", afirma Fernando Ferreira, proprietário da Pluri.

Fonte: CBF, Statista, Ernest &Young - CupomValido.com.br
Salários no futebol - Fonte: CBF, Statista, Ernest &Young - CupomValido.com.br

JOSEP LAGO / AFP
Cristiano Ronaldo marcou dois gols na vitória da Juventus por 3x0 sobre o Barcelona - FOTO:JOSEP LAGO / AFP
LLUIS GENE / AFP
CRAQUE Messi é a atração do Barcelona no duelo diante do PSG, clube que tem interesse em sua contratação - FOTO:LLUIS GENE / AFP
Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br
Salários no futebol - FOTO:Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br
Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br
Salários no futebol - FOTO:Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br
Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br
Salários no futebol - FOTO:Fonte: CBF, Statista, Ernest & Young - CupomValido.com.br

Comentários

Últimas notícias