Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Senado, que aprovou fundo eleitoral de R$ 4,9 bi, aprova mais R$ 4,9 bi para gás e gasolina para baixa renda

Senado aprova aumento de despesa para reduzir impacto de aumento da Petrobras sem qualquer estimativa de receitas para bancar as novas despesas.

Fernando Castilho
Cadastrado por
Fernando Castilho
Publicado em 10/03/2022 às 20:20 | Atualizado em 14/03/2022 às 18:43
Edilson Rodrigues/Agência Senado
Senado aprovou projetos sobre combustíveis em menos de oito horas após o reajuste da Petrobras. - FOTO: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Leitura:

Pode ter sido uma mera consciência, mas o mesmo Senado que aprovou R$ 4,9 bilhões para turbinar o fundo eleitoral aprovou, nesta quinta-feira, um pacote de medidas de ajuda às pessoas inscritas no antigo Bolsa Família, o atual Auxílio Brasil, para pagar parte do gás e um voucher de R$ 300 para as que possuem carro possam reduzir suas despesas com combustíveis.

Os senadores não apresentaram muitas contas. Ao aprovar o projeto relatado pelo senador Jean Prates (PT-RN), eles estimaram que o Auxilio gás (GLP) vai custar R$ 1,9 bilhão. Já o auxilio combustível custaria R$ 3 bilhões, também se muitas explicações sobre a origem dos possíveis assistidos.

Os senadores foram surpreendidos pela manhã com um reajuste na gasolina de 18,7%; no diesel, de 24,9%; e o gás de cozinha em 16%. O objetivo seria reduzir a defasagem da estatal em relação ao mercado internacional, que já beirava os 50%.

"Após 57 dias, a Petrobras fará ajustes nos preços de gasolina e diesel. E, após 152 dias, a Petrobras ajustará preços de GLP", informou a empresa em nota.

Pelas contas da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Fertilizantes (Fecombustíveis, com o aumento anunciado pela Petrobras, que passa a vigorar nesta sexta-feira, 11, a gasolina nos postos de abastecimento deve subir para média de R$ 7,02 o litro no País, contra a média atual de R$ 6,57 por litro.

Foi ai que os senadores decidiram agir rapidamente. E assim como não discutiram os detalhes nas o impacto nas contas publicas em relação ao fundo eleitoral de R$ 4,9 bilhões eles aprovaram em menos de seis horas após a Petrobras revelar o reajuste um pacote de medidas que não guarda muita relação com a realidade, mas que renderá noticia no sentido de que estão aruando para reduzir os impactos.

Roque de Sá/Agência Senado
Jean Paul Prates e Rodrigo Pacheco durante as votações desta quinta-feira - Roque de Sá/Agência Senado

O primeiro foi o projeto de lei que cria regras para estabilização dos preços de combustíveis (PL 1472/2021) e um sistema de bandas de preços, que limitará a variação, e uma conta federal para financiar essa ferramenta.

O projeto cria um sistema de bandas de preços para limitar a variação ao longo do tempo. O sistema seria sustentado pela Conta de Estabilização de Preços de Combustíveis (CEP-Combustíveis), abastecida com receitas do setor de petróleo e gás. Como e quando será estruturado vai depender da Câmara e de lei para regulamentá-lo.

Os senadores aproveitaram e estabelece um auxílio de até R$ 300 mensais para motoristas autônomos de baixa renda.

No embalo, os senadores também aprovaram outro projeto que visa tentar reduzir o preço dos combustíveis alterando a regra de incidência do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS) sobre os combustíveis (PLP 11/2020).

O texto do (PLP 11/2020) aprovado estabelece cobrança monofásica (em uma única fase da cadeia de produção) de ICMS para uma série de combustíveis e propõe que o imposto tenha uma alíquota única para cada produto em todo o país.

Também dá prazo para estados mudarem o ICMS sobre combustíveis, integra um conjunto de propostas apresentadas pelos parlamentares na tentativa de frear os recorrentes aumentos nos valores dos combustíveis.

Só tem um problema. Para ele começar a valer, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), formado pelos secretários estaduais de fazenda tem que aprovar as deliberações por unanimidade. Na prática, o novo modelo dependerá de decisão dos próprios governadores.

O substitutivo aprovado dá um prazo até o fim de 2022 para os estados e o Distrito Federal mudarem a cobrança do ICMS de combustíveis para um valor em reais por litro. Ou seja, se o Confaz não colocar o assunto na pauta não vai acontecer nada.

Na verdade, o texto aprovado enfrenta resistência de governos estaduais, que não querem abrir mão de arrecadação em ano eleitoral. Mas porque o presidente Jair Bolsonaro vem dizendo que o vilão da alta é o imposto cobrado pelos Estados.

Décio Padilha (Foto: Nando Chiappetta/Alepe)
Décio Padilha fez a apresentação dos numeros de 2021 para a Alepe (Foto: Nando Chiappetta/Alepe) - Décio Padilha (Foto: Nando Chiappetta/Alepe)

O secretário da Fazenda de Pernambuco e coordenador do Comsefaz (Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal), Décio Padilha, avalia que o projeto é ruim porque o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) não é a causa dos aumentos nos combustíveis.

O secretário lembra que “O ICMS encontra-se congelado desde 1º de novembro, com perdas de R$ 3,4 bilhões até meados de fevereiro e o resultado disso, como se previa, foi nulo, pois os preços dos combustíveis continuaram se elevando”.

Para ele, o projeto aprovado agora no Senado não solucionará a grave crise de combustíveis e aumentará a carga tributária.

BETO DLC / JC IMAGEM
Aumento de combustível no Recife. - BETO DLC / JC IMAGEM

 

Comentários

Últimas notícias