Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Mil mortes num trimestre revelam que Governo de Pernambuco negligenciou atenção para com o Pacto Pela Vida

O crescimento de mortes em Ipojuca e em Goiana não é um fato isolado. Representa a chegada do crime organizado. E um novo cenário exige uma nova abordagem

Fernando Castilho
Cadastrado por
Fernando Castilho
Publicado em 19/04/2022 às 12:00 | Atualizado em 19/04/2022 às 14:32
Welington Lima/JC Imagem
Cerca de 250 policiais civis e militares foram enviados para Porto de Galinhas - FOTO: Welington Lima/JC Imagem
Leitura:

Sob nenhum argumento é aceitável que, num estado com 9.674.793 de habitantes, segundo o IBGE, ocorram 965 mortes em apenas três meses. Não é razoável que quase mil pessoas percam a vida vítimas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), acrônimo que a polícia usa para identificar assassinatos.

Isso revela que depois de 15 anos do programa Pacto Pela Vida, o Governo de Pernambuco ainda não identificou uma estratégia que possa, efetivamente, reduzir o número de mortes num Estado que tem apenas 4,51% da população do Brasil e 20,5% do Nordeste.

Pode-se dizer que nos últimos anos, contados a partir de 2017, o número caiu. É verdade. Mas não há o que justificar se naquele ano foram mortas 5.428 pessoas e no ano passado, 3.368. O fato que este ano, em apenas três meses, sejam quase mil, é assustador.

Os números de 2017 representam apenas o marco do fracasso de uma estratégia que precisou ser revista naquele ano. E se depois de cinco anos temos uma redução de 38%, isso quer dizer que não avançamos o suficiente. Ainda que sejam menos 2.060 mortes em CVLI.

O problema é que 2022 voltou a preocupar, porque há indícios de que o elevado número de crimes decorrentes do embate de criminosos aponta para novos cenários.

Isso tem a ver com o crescimento de ocorrências em cidades da Região Metropolitana do Recife e, especificamente, em municípios de suas extremidades. Ao se georeferenciar esse aumento, se aponta para a instalação de um novo tipo de violência.

O crescimento de mortes em Ipojuca e em Goiana não é um fato isolado.

O Governo do Estado, e a própria SDS, já sabem que depois da pandemia temos, ao menos, dois novos cenários de atuação. E esse novo cenário exige uma nova abordagem.

O governo divulgou que, nos números de 2021, existe um dado importante relacionado aos chamados crimes de proximidade. Este é um dado que exige uma nova abordagem e investimento focado na cultura de paz.

Este ano, o governo lançou um edital para seleção de 62 projetos de prevenção social à violência. Com investimentos da ordem de R$ 6,2 milhões, a iniciativa tem o objetivo de reforçar a participação social nas políticas do Pacto pela Vida, em especial nas ações antecipatórias. Cada iniciativa pode receber financiamento de até R$ 100 mil.

É uma iniciativa importante. Até porque, em 2020, quando 64,09% das mortes estavam relacionadas à atividade criminal, 19,11% estavam relacionadas a conflitos na comunidade e mais 3,06% estavam relacionadas a conflito Afetivo ou Familiar (exceto feminicídio).

Esse é um desafio da sociedade que vai além da ideia de policiamento repressivo ao crime de tráfico.

Mas como aceitar que o restante esteja em crescimento? Os números do primeiro trimestre apontam uma absurda média de 10 pessoas mortas por dia. O aumento de 16,5% em relação ao mesmo período de 2021, quando 828 assassinatos foram confirmados, exige uma reavaliação da estratégia global.

Ao se posicionar sobre a marca, a SDS informou que está mapeando as áreas que apresentaram aquecimento das manchas criminais no 1º trimestre e que intensificou a atuação nesses focos e já percebeu “uma reversão de cenário em diversas Áreas Integradas de Segurança, a exemplo do Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, onde mantemos a Operação Porto Seguro, responsável pela garantia da tranquilidade nessa importante região do Litoral Sul”.

A SDS revela que mais de 80% dos homicídios "têm como motivação o tráfico de drogas, e manteremos forte o trabalho de desarticulação e descapitalização desses grupos".

A informação da SDS nos remete a um desafio. Como enfrentar de forma sistemática e eficiente essa violência entre grupos e como isso interfere na atuação da polícia?

Esse é uma questão importante porque, também segundo a polícia, o enfrentamento do crime levou à morte de ao menos 28 pessoas em confrontos diretos. Mais ainda quando se observa que dos mortos 19 tem idades entre 18 e 30 anos.

Comentários

Últimas notícias