Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Na era do cancelamento, político que apoia Lula leva vaia da militância do Partido dos Trabalhadores

Como Paulinho da Força, o ex-governador Geraldo Alckmin também levou uma vaia ao ser apresentado como candidato a vice-presidente

Fernando Castilho
Cadastrado por
Fernando Castilho
Publicado em 03/05/2022 às 20:00 | Atualizado em 04/05/2022 às 14:48
SOLIDARIEDADE
Lula recebeu o apoio de Paulinho da Força, do Solidariedade - FOTO: SOLIDARIEDADE
Leitura:

Aconteceu de novo. Paulinho da Força foi levar o apoio do seu partido Solidariedade à campanha do presidente Lula e foi vaiado pela militância. Há duas semanas, o ex-governador Geraldo Alckmin também levou uma vaia ao ser apresentado como candidato a vice-presidente da futura chapa do ex-presidente, que concorre a um terceiro mandato.

Tem sido um comportamento curioso o dos apoiadores e militantes do PT que parecem não entender que, num confronto bipolar como o que se apresenta com o presidente Jair Bolsonaro, o prestígio de Lula não junta toda a oposição contra aquilo que cientista político Antônio Lavareda chama de incumbente.

Esta semana, o candidato do PT conversou com o presidente e fundador da XP Investimentos e a militância digital do PT "desceu o cacete" em cima do empresário.

Esse comportamento juvenil da militância do PT tem ao menos 40 anos de atraso, quando o PT se dizia puro e não fazia aliança com ninguém. O PT votou contra o Real, que anos depois fez o próprio Lula surfar na maior onda internacional que um presidente brasileiro já teve.

Tem sido um exercício do presidente conversar com empresários formadores de opinião que preferem conversas rigorosamente fechadas e sem fotografias.

Talvez os militantes acreditem que os problemas que Lula vem tendo para costurar apoios seja um equívoco e que o prestígio e perspectiva de poder de uma eventual vitória faça todos os atores econômicos virem para o PT espontaneamente, aceitando ser criticado abertamente, agora na arena virtual.

É verdade que a atual colocação nas pesquisas pode dar aos militantes a certeza de que o ex-presidente seja eleito talvez no primeiro turno. É natural o militante político se comportar como o torcedor fanático que não vê os acertos do adversário e só enxerga as virtudes de seu time.

As vaias ao Solidariedade, assim como ao PSB, passam a ideia de que estar no palanque de Lula é saber que terá que passar pelo constrangimento de não ser bem recebido, quando se vai emprestar apoio.

Talvez porque esteja em moda entre os jovens a cultura do cancelamento, que faz milhões deles não assumirem politicamente suas preferências nas redes sociais.

Se os militantes vaiam os dirigentes partidários do PSB e do Solidariedade, como vão reagir quando Lula precisar conversar com outras forças políticas?

O grande líder do PSB, Miguel Arraes, consumava dizer que na política só se faz aliança com adversários porque os apoiadores já estão com a causa.

E aqui para nós, faz tempo que o ex-presidente Lula segue Arraes nesse tipo de atitude política. Aliás, só tem feito isso desde que divulgou a chamada "Carta aos brasileiros".

Comentários

Últimas notícias