COLUNA MOBILIDADE

Obras da Via Metropolitana Norte, no Grande Recife, ganham novos recursos para serem destravadas

Serão liberados R$ 21,6 milhões pelo governo federal que permitirão construir alças ligando a PE-15 a PE-01

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 18/06/2021 às 11:31
Notícia
Foto: Guga Matos/JC Imagem
As obras de implantação da Via Metropolitana Norte - que envolvem a lenta e polêmica requalificação do Canal do Fragoso, em Olinda - acumulam anos de atraso e de intermináveis intervenções - FOTO: Foto: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

Apesar dos atrasos e da lentidão, as obras de implantação da Via Metropolitana Norte, corredor viário que conectará as cidades de Olinda e Paulista, na Região Metropolitana do Recife, tiveram recursos garantidos para a sua continuidade. O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) prometeu a liberação de mais R$ 21,6 milhões para o prosseguimento dos trabalhos. A liberação desses recursos pelo governo federal vai destravar a etapa três do projeto, que compreende a construção de duas alças de acesso sobre a rodovia PE-15, em Olinda.

A Via Metropolitana é um projeto iniciado ainda em 2013 com a promessa de facilitar o deslocamento de passageiros e motoristas entre Olinda e Paulista com a integração das rodovias estaduais PE-15 e PE-01 (esta última começa no Complexo de Salgadinho, em Olinda, e corta o litoral de Paulista. A conexão das duas PEs, com a construção de um viaduto sobre a PE-15 na altura do terminal integrado, totalizará um percurso de 6,1 quilômetros. A obra estava travada na etapa três do projeto, que consiste na construção de duas alças de acesso para conectar a PE-15 às vias laterais do Canal do Fragoso. O trecho estava com licitação pronta desde julho de 2020, mas esperava a autorização do governo federal, o que só aconteceu agora, um ano depois.

"Esta obra vai permitir um alívio no sofrimento de quem mora próximo ao canal. Ela começou em 2013 e vai permitir que as pessoas que aqui moram tenham uma melhor qualidade de vida. Nós temos a disposição do presidente da República de não deixar obras paralisadas. Independentemente de quem tenha começado a obra, nosso compromisso é com a população, com as pessoas que têm maior necessidade da assistência do poder público", destacou o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que garantiu a liberação dos recursos em visita ao Grande Recife nesta quinta-feira (17/6).

DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM
Via Metropolitana Norte é uma das principais apostas contra o tráfego pesado de Olinda e de Paulista - DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM


HISTÓRICO DE ATRASOS E PROBLEMAS

As obras de implantação da Via Metropolitana Norte - que envolvem a lenta e polêmica requalificação do Canal do Fragoso, em Olinda - acumulam anos de atraso e de intermináveis intervenções. A construção do novo eixo viário metropolitano compreende quatro etapas de serviço, com previsão de investimento de R$ 451,8 milhões, verbas dos cofres federal e estadual.

A primeira etapa foi entregue pela Companhia Estadual de Habitação e Obras (Cehab) em março de 2019. Ela compreendeu o revestimento de 2,3 quilômetros de canal e a construção de oito pontes, atendendo o trecho que vai das proximidades da PE-15 até o Maxxi Atacado.

A segunda etapa também começou em 2019 e consiste na pavimentação de duas faixas de rolamento na lateral do Canal do Fragoso, da altura da Avenida Coronel João de Melo Morais até a Rua Bom Jardim, em Jardim Fragoso. De acordo com a Cehab, a demora se deu pela quantidade de esgotos clandestinos encontrados cada vez que os serviços avançavam. A companhia ainda justificou que houve redução de equipe em 2020 devido à pandemia, mas que agora o cronograma foi retomado.

A etapa três deverá começar agora, após a garantia de liberação dos recursos federais. Já a quarta etapa, que prevê o revestimento dos 2,1 quilômetros restantes do Canal do Fragoso, do Maxxi Atacado até a Ponte do Janga, no município de Paulista, e a pavimentação do trecho ao lado do canal, da Rua Bom Jardim até a Ponte do Janga, ainda está no papel. E não há previsão porque o Tribunal de Contas do Estado (TCE) pediu ajustes no edital.

GUGA MATOS/ACERVO JC IMAGEM
A conexão das duas PEs, com a construção de um viaduto sobre a PE-15 na altura do terminal integrado, totalizará um percurso de 6,1 quilômetros - GUGA MATOS/ACERVO JC IMAGEM
Sérgio Bernardo/JC Imagem
A Via Metropolitana é um projeto iniciado ainda em 2013 com a promessa de facilitar o deslocamento de passageiros e motoristas entre Olinda e Paulista com a integração das rodovias estaduais PE-15 e PE-01 - Sérgio Bernardo/JC Imagem

TERMINAL DE IGARASSU

O MDR também liberou R$ 9 milhões para a retomada das obras de requalificação e expansão do Terminal Integrado de Igarassu, paralisadas desde 2020. A previsão é que sejam investidos R$ 10 milhões pelo governo federal, além de outros R$ 3,8 milhões pelo Estado de Pernambuco. Para continuidade do empreendimento, o MDR já conta com R$ 9 milhões disponíveis na Caixa Econômica Federal. O TI Igarassu é um dos 26 terminais integrados do Grande Recife e tem diversos problemas devido à capacidade inadequada para a demanda de passageiros.

GUGA MATOS/ACERVO JC IMAGEM
A conexão das duas PEs, com a construção de um viaduto sobre a PE-15 na altura do terminal integrado, totalizará um percurso de 6,1 quilômetros - FOTO:GUGA MATOS/ACERVO JC IMAGEM
DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM
Via Metropolitana Norte é uma das principais apostas contra o tráfego pesado de Olinda e de Paulista - FOTO:DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM

Comentários

Últimas notícias