O peso da camisa

Publicado em 07/02/2014 às 15:24
Leitura:
Com apenas dois pontos em quatro jogos, o Sport já passava a contabilizar novo fracasso na Copa do Nordeste. Mesmo os mais fanáticos, depois de ver um começo de ano terrível, com o time jogando mal, sem os reforços prometidos, perdendo clássico em casa e com o treinador demitido. Mas aí veio a maior mudança: a de postura. Foi suficiente para o Leão inverter o panorama, ganhando dois jogos seguidos sem tomar gols e carimbando uma classificação que muitos já davam como perdida. A vitória de ontem sobre o Botafogo-PB só ratificou a mudança de atitude da equipe. Muito pela entrada de Eduardo Baptista no lugar de Geninho. Se o filho de Nelsinho não alterou a postura tática, pelo menos fez os jogadores tomarem ciência do peso da camisa rubro-negra. Fundamental para a conquista da vaga nas quartas de final no Regional. Só que isso não é suficiente para ir avançando de fase. Mesmo diante de adversários frágeis, comparando-se com os rivais que virão pela frente na Série A nacional. Mas já houve evolução: física e, consequentemente, técnica. Neto Baiano é prova disso. Mais solto, mais leve, voltou a salvar o time, que ainda carece de poder ofensivo. Foi o que faltou também ao Náutico, que colocou a garotada para jogar diante do líder Guarany, em Sobral. E eles não fizeram feio. Arrancaram um empate com muita gente mostrando qualidade. O que pode ser comemorado. Não a eliminação, como a direção timbu sugeriu. A quase dispensa de Juninho Quem conta é o ex-técnico de Sport e Náutico, Hugo Benjamin: por muito pouco, Juninho não era dispensado do Leão, no início da carreira. Vendo a "falta de força" do jogador, o então treinador dos juniores, Juan Perez, pediu sua saída. Só quando descobriu que o meia treinava também futsal após o campo, Juan entendeu. Ali, o craque optou pelo gramado. Bloco do Mané O querido Mané Queiroz vai ser eternizado. Falecido no início deste ano, o ex-radialista vai virar boneco gigante em Olinda. O Bloco do Mané será lançado no final do mês. Certamente, será dos mais alegres, como ele sempre foi. Sem a Caixa Dívidas fiscais de gestões passadas estão ameaçando o contrato de patrocínio da Caixa com Náutico e Santa Cruz. Ficaria inviável para os clubes quitarem os débitos com o valor arrecadado. Nada sobraria. Já o Sport está bem perto do acerto. Ilha na rota do turismo Depois de fechar com a Arena Pernambuco, a empresa baiana Futebol Tour está perto de acertar com o Sport, promovendo visitas guiadas à Ilha do Retiro. Há também conversas com o Santa Cruz. A intenção é colocar os clubes na rota turística do Estado, como ocorre em algumas das principais cidades do mundo, onde o futebol é forte. Com a palavra, o leitor Muita ação judicial para pouco futebol "Muita liminar e pouco gol. Muitos advogados e poucos artilheiros. Tá ficando feio o futebol pernambucano." Ronaldo Macedo, criticando as seguidas ações na Justiça.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias