Planeta Bola

Mais uma partida fraca balança corda de Dal Pozzo no Náutico

Queda de rendimento aumenta o desgaste do técnico alvirrubro. Mesmo com irregularidade de jogadores falta de opções e de ritmo de jogo

Carlyle Paes Barreto
Carlyle Paes Barreto
Publicado em 11/08/2020 às 23:34
Análise

ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Dal Pozzo busca primeira vitória na Série B com Náutico para aliviar pressão no cargo - FOTO: ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Leitura:

Por Carlyle Paes Barreto, da Coluna Planeta Bola

Se a suspensão dos jogos por conta da pandemia havia dado novos ares a Gilmar Dal Pozzo, a retomada do futebol resgatou antigo sentimento de torcedores e de parte da direção do Náutico. Com insatisfação crescente pela falta de evolução do time. Agora turbinada com a ausência de resultados. O empate de ontem com o Operário foi mais um.

Outra partida sem intensidade, sem a equipe ser incisiva. Sem poder de penetração. Apostando novamente em chuveirinhos na área.

Teve chance de fazer gol? Teve. Uma ou outra. Mas também poderia ter tomado. Deu brechas de novo. Mostrando que o problema não é restrito a um setor.

Mas antes de achar que a culpa é apenas do treinador, é preciso ponderar alguns pontos. A queda individual de alguns jogadores, a lista de machucados, o longo tempo sem jogos. E a falta de opções.

Sem volantes cascudos, o tempo de maturação dos pratas da casa será maior. Com isso, uma demora ampliada na correção de defeitos.

Sem falar no debate interno tradicional quando se pensa em trocar o comando: quem viria? E um possível novato mudaria a situação sem reforços? E se chegar novos jogadores, será que Dal Pozzo não melhoraria o rendimento? Com a palavra, a direção timbu.

Mais textos da Coluna Planeta Bola no www.jc.com.br/planeta-bola

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias