Planeta Bola

Maradona, Pelé e o maior de todos

É hora de o Brasil relembrar mais o que o Rei do futebol fez. Aproveitar um pouco mais do maior jogador do século. Enquanto pode

Carlyle Paes Barreto
Carlyle Paes Barreto
Publicado em 26/11/2020 às 12:19
Notícia
PATRICK KOVARIK / AFP
MARADONA - FOTO: PATRICK KOVARIK / AFP
Leitura:

Por Carlyle Paes Barreto, da Coluna Planeta Bola

As homenagens em todo mundo, especialmente em Buenos Aires, reflete o que foi Maradona. Capaz de juntar e abraçar torcedores dos arquirrivais Boca Juniors e River Plate. E, bem ao lado, fazendo fãs do mesmo clube brigarem na fila do velório. O craque era assim. Amor e ódio correndo paralelamente. Sutileza em dribles e rompantes agressivos contra adversários. Paixão em campo e trapaça fora dele. Sem dúvida, o maior de todos. Como personagem. Atrás de Pelé como jogador, como atleta. Mas bem na frente no quesito adoração. E aí não é culpa do Rei. É de seus súditos.

Embora Pelé seja mais recluso, não expondo seu lado pessoal como o argentino, ele é mais questionado que reverenciado no Brasil. Após a aposentadoria, claro. Bem diferente do que ocorre no país vizinho.

Até porque Maradona nunca se escondeu. Mesmo fora de si, foi a jogos. A Copa do Mundo. Visitou chefes de Estado e falou o que queria. Politicamente correto ou não. Enquanto Edson Arantes do Nascimento sempre foi mais protocolar. Talvez pelas eternas cobranças de se posicionar por qualquer assunto social.

https://youtu.be/g3eVUt6x-PQ

Mas até pelo exemplo da Plaza de Mayo, da Casa Rosada, está na hora de relembrar mais o que Pelé fez. E não criticar pelo que deixou de fazer. E aproveitar um pouco mais do maior jogador do século. Enquanto pode.

Mais textos da Coluna Planeta Bola no www.jc.com.br/planeta-bola

 


 

Comentários

Últimas notícias