Planeta Bola

Morre Paolo Rossi, o maior de todos carrascos da seleção brasileira

Artilheiro da Copa do Mundo de 1982 faleceu nesta quarta-feira, aos 64 anos

Carlyle Paes Barreto
Carlyle Paes Barreto
Publicado em 09/12/2020 às 22:16
Notícia

Estadão Conteúdo
Todos foram desbancados por Paolo Rossi, artilheiro com seis gols - FOTO: Estadão Conteúdo
Leitura:

Por Carlyle Paes Barreto, da Coluna Planeta Bola

O Estádio Sarriá, em Barcelona, nem existe mais, o Brasil já conquistou mais dois títulos mundiais, porém Paolo Rossi sempre será sinônimo de carrasco para os brasileiros. O maior de todos eles.

Com direito a ser expulso de táxi em visita ao Rio de Janeiro, anos depois de ter acabado com a melhor Seleção Canarinho depois da Era Pelé, na Copa do Mundo de 1982. Sua morte, entretanto, é chorada também por nós.

Artilheiro do Mundial da Espanha, Bola de Ouro naquele ano, autor dos três gols que eliminou o Brasil nas quartas de final, mandando par casa o inesquecível esquadrão de Telê Santana, aquele timaço com Zico, Sócrates, Falcão e Eder. Paulo Rossi foi o grande protagonista daquela Copa, mesmo chegando descreditado, meses após ter se envolvido no escândalo de loterias na Itália.

Por aqui, apenas o carrasco. Maior que Canniggia em 86, Zidane em 98, De Bruyne em 2018. Pelo favoritismo e pelo que representava a seleção brasileira nos anos 80.

A morte de Paolo Rossi não alivia os sentimentos de quem sofreu esportivamente o desastre do Sarriá. Aumenta a dor. Porque o italiano fez parte daquele sonho.

Mais textos da Coluna Planeta Bola no www.jc.com.br/planeta-bola

 

Comentários

Últimas notícias