Caso Beatriz: polícia divulga número de WhatsApp para denúncias

Publicado em 29/02/2016 às 20:43
Beatriz Mota, de 7 anos, foi encontrada com uma faca cravada na barriga dentro de um armário no colégio particular. Foto: Arquivo Pessoal
FOTO: Beatriz Mota, de 7 anos, foi encontrada com uma faca cravada na barriga dentro de um armário no colégio particular. Foto: Arquivo Pessoal
Leitura:
Menina de 7 anos foi encontrada com uma faca cravada na barriga dentro de um armário no colégio particular. Foto: Arquivo Pessoal Menina de 7 anos foi encontrada com uma faca cravada na barriga dentro de um armário no colégio particular. Foto: Arquivo Pessoal A polícia começou a divulgar um número de WhatsApp para que a população possa contribuir com pistas relacionadas às investigações do Caso Beatriz. Quem tiver vídeos ou fotos devem mandar para o número (87) 9.8137.3902. O material será analisado pelo delegado Marceone Ferreira, responsável pelas investigações. A identidade das testemunhas será preservada. Na última semana, a Polícia Civil divulgou retrato falado do suspeito de matar Beatriz Angélica Mota, de 7 anos. Uma recompensa de até R$ 10 mil está sendo oferecida pelo Disque-Denúncia a quem ajudar a identificar o responsável pelo crime, que aconteceu em um colégio particular em Petrolina, no Sertão de Pernambuco. Beatriz foi encontrada morta, com uma faca cravada na barriga, durante festa de formatura. De acordo com a polícia, os pais da criança, que também estavam no evento, notaram o desaparecimento da menina e a chamaram pelo microfone do palco que estava montado na quadra do colégio. As pessoas se mobilizaram e formaram duplas para procurar pela menina, cujo corpo estava dentro de um armário no vestiário esportivo. Ainda não há pistas sobre a identidade do suspeito. Mas não está descartada a participação de mais de uma pessoa no crime. Os pais da criança fizeram um apelo à presidente Dilma Rousseff para que a Polícia Federal assuma o caso. Caberá ao Superior Tribunal de Justiça analisar o pedido, que precisa de requerimento do procurador-geral da República.  

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias