Polícia Civil negocia delações premiadas com acusados de roubo e explosão de bancos

Publicado em 22/05/2017 às 10:47
Quadrilhas de explosões a bancos desafiam trabalho da polícia. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
FOTO: Quadrilhas de explosões a bancos desafiam trabalho da polícia. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:
Quadrilhas de explosões a bancos desafiam trabalho da polícia. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem Na tentativa de zerar as ocorrências de roubo e explosão a bancos em Pernambuco, a Polícia Civil decidiu aderir à moda da delação premiada, principal mecanismo usado na Operação Lava Jato. Acusados da prática deste tipo de crime, que desde o ano passado tira o sossego do Governo do Estado, estão sendo chamados a negociar informações importantes que ajudem o trabalho dos investigadores, como o modus operandi das quadrilhas e nomes de integrantes e líderes, e também na coleta de provas materiais. Em troca, podem ter penas reduzidas em caso de condenação pelos crimes. Nesta segunda-feira (22), a Polícia Civil de Pernambuco desarticulou mais uma quadrilha de explosão de agências bancárias. No total, 13 pessoas já estão presas, entre elas duas mulheres. O chefe da Polícia Civil, Joselito Kehrle confirmou que irá negociar as delações com os acusados. O grupo, que se preparava para explodir três agências no Estado nesta semana, teria praticado investidas em todos os estados do Nordeste. Os integrantes também seriam de vários estados diferentes. O elo entre eles está sendo investigado. Leia também Quadrilha presa no RN pode ter praticado assaltos a bancos em Pernambuco Justiça manda transferir assaltantes de bancos do Cabo para presídio federal Suspeito de participar de assaltos a bancos no Cabo afirma temer pela própria vida Justiça aceita denúncia contra líder de quadrilha de assaltos a bancos Submetralhadoras, granadas e até fuzil americano para combater quadrilhas de bancos  

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias