PANDEMIA

Recuo nos índices faz Pernambuco desativar 712 leitos de covid-19

Foram desmobilizadas 503 vagas de terapia intensiva (UTI) e 209 de enfermaria, mas possibilidade da 3ª onda está no horizonte

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 07/08/2021 às 6:45
RODOLFO LOEPERT/PCR
Estado decidiu transformar 712 leitos de covid-19 em espaços para atender outros tipos de situações médicas - FOTO: RODOLFO LOEPERT/PCR
Leitura:

Com a queda dos indicadores da pandemia de covid-19 em Pernambuco e da desaceleração de casos da doença (inclusive os quadros mais graves, que exigem internamento) Pernambuco desativou 712 leitos hospitalares voltados exclusivamente a pessoas com sintomas da infecção pelo coronavírus. Entre eles, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), foram desmobilizadas 503 vagas de terapia intensiva (UTI) e 209 de enfermaria.

Com o avanço da variante delta, detectada inicialmente na Índia, surge a preocupação com um provável aumento no número de casos da covid-19 e, consequentemente, necessidade de reabertura de leitos para quadros da doença. Questionado sobre o plano para possível nova ativação dessas vagas, o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, destacou que o plano de convivência com a covid-19 prevê o desbloqueio e reconversão de leitos, se necessário.

"Atualmente temos que observar para os Estados onde a delta está predominando. É o caso do Rio de Janeiro, de São Paulo, de Goiás e do Distrito Federal, que já anunciaram circulação comunitária da delta. Com esse olhar, analisaremos qual será o impacto sob o sistema de saúde", disse Longo, em coletiva de imprensa na última quinta-feira (5).

Ele explicou que o cenário epidemiológico atual, de desaceleração da pandemia no Estado, faz com que o governo seja "indiscutivelmente cobrado" para dar assistência a pacientes com doenças que ficaram sem atendimento durante a pandemia. "Então, nossa responsabilidade hoje é converter pelo menos aqueles leitos que eram dedicados a outras patologias e foram mobilizados para atender covid-19. Por outro lado, as taxas de ocupação muito baixas deixam as equipes de saúde ociosas, e o custo é muito elevado para manutenção delas, sem atender pacientes por causa dessa ociosidade."

O secretário frisou que o governo tem trabalhado para balancear esse processo (oferta de leitos covid e não covid). "Mas, com certeza, temos que ter um plano de contingência para um possível recrudescimento da pandemia. Não imaginamos que esse aumento, gerando impacto no sistema de saúde, seja igual ao que ocorreu com a predominância da P1 (a variante gama que detectada, no Estado, pela primeira vez, em fevereiro deste ano)", salienta Longo. "Naquele momento (primeiro trimestre), com a P1, o número de pessoas imunizadas era muito menor, com a primeira ou a segunda dose."

Ainda durante a coletiva de imprensa, o secretário disse observar, em outros países com circulação da delta, principalmente naqueles com maior percentual de pessoas vacinadas, um impacto de menor intensidade no sistema de saúde, diferentemente do que ocorreu na segunda onda de covid-19. "O número de casos aumenta, e há especialistas que dizem que o grande monitoramento a ser feito hoje deve se voltar para (o volume) de solicitações de leitos e ocupação da rede. E certamente estamos com esse olhar voltado para a possiblidade de uma necessidade de retorno de vagas de UTI e enfermaria. Estamos caminhando porque precisamos caminhar; temos sobrecarga nas nossas emergências que precisa ser vista", sublinhou Longo, a fim de esclarecer de que forma os leitos de covid-19 desativados estão sendo convertidos para o tratamento de outras doenças.

BALANÇO

Pernambuco confirmou ontem 690 casos da covid-19. Entre eles, 77 (11%) são casos graves e 613 (89%) leves. Agora, o Estado totaliza 594.796 registros de pessoas que já foram infectadas pelo coronavírus, sendo 52.469 que tiveram a forma grave da doença e outros 542.327 apresentaram sintomas leves. Também ontem foram confirmados laboratorialmente 26 novos óbitos (14 mulheres e 12 homens), ocorridos entre os dias 19 de outubro do ano passado e o último dia 5 deste mês.

As novas mortes são de pessoas residentes dos municípios de Cabo de Santo Agostinho (3), Jaboatão dos Guararapes (1), Jurema (1), Olinda (1), Palmares (1), Paulista (7), Petrolina (3), Recife (8) e São Benedito do Sul (1). Com isso, o Estado totaliza 18.967 mortes em decorrência de complicações da doença.

 

Comentários

Últimas notícias