COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

"Número de solicitações por leitos de UTI atinge o mesmo volume do pico da primeira onda de covid-19", afirma secretário de Saúde de Pernambuco

De acordo com André Longo, governador Paulo Câmara já deixou claro que, se forem necessárias, mais medidas restritivas podem ser adotadas

Cinthya Leite Lucas Moraes
Cadastrado por
Cinthya Leite
Lucas Moraes
Publicado em 11/01/2022 às 10:46 | Atualizado em 14/01/2022 às 15:28
Cinthya Leite/JC
Coletiva do governo do Estado 11.01.2022 - FOTO: Cinthya Leite/JC
Leitura:

Um dia após anunciar novas medidas restritivas para conter a escalada da epidemia de gripe e a nova onda da covid-19 com a chegada da ômicron, o governo de Pernambuco realizou coletiva de imprensa nesta terça-feira (11) para esclarecer os pontos das novas regras do plano de convivência com o coronavírus. Com a volta de restrições, haverá maior controle de circulação daqueles que não estão vacinados, a fim de proibir a presença dessas pessoas em eventos e demais espaços públicos, como estabelecimentos de alimentação e lazer, mais propícios a aglomerações.

A retomada das medidas restritivas se faz necessária neste momento em que o Estado vê um salto no volume de pacientes com síndromes respiratórias nos hospitais públicos e privados. De acordo com o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, as atuais solicitações por leitos de terapia intensiva (UTI) já voltam ao mesmo patamar de maio de 2020, quando a pandemia se apresentou de forma dura no Estado. "O número de pedidos por leitos de UTI atinge o mesmo volume do pico da primeira onda de covid-19, em maio de 2020. Foram, na última semana, 805 solicitações por vagas de terapia intensiva, o que representa um aumento de 82% em 15 dias", disse Longo. 

Para atender a demanda e garantir a assistência à população, ele destacou que o governo tem se mobilizado. "Em menos de 20 dias, já são 480 novos leitos para casos de srag (síndrome respiratória aguda grave), sendo 213 de UTI. Isso corresponde à capacidade de, pelo menos, dois grandes hospitais de campanha. E continuamos trabalhamos, diuturnamente, para minimizar os impactos desta aceleração das doenças respiratórias e salvar vidas. Nos próximos dias, temos previsão de abrir, pelo menos, outros 500 leitos, sendo 290 de UTI", garantiu.

O secretário pediu ainda que a população não deixe de lado os cuidados preventivos, especialmente porque a ômicron tem um maior potencial de contaminação. E os números já mostram essa velocidade da variante: a positividade dos testes rápidos de antígeno para a covid-19, nos centros de testagem, ficou em 15% na última segunda (10), enquanto que, no dia 28 de dezembro de 2021, era de apenas 3%.

"Contra ômicron, ter apenas uma dose de vacina contra covid é estar desprotegido. Precisamos de, ao menos, duas doses contra a variante. Ômicron poderá causar doença grave em quem não tem as duas doses. O potencial de reinfecção da ômicron é grande. Mas 40% dos idosos com as duas doses ainda não tomaram a dose de reforço. Os próximos dias podem ser muito grave se não mudarmos de atitude (em relação a medidas de proteção). Se mais medidas restritivas forem necessárias, adotaremos”, afirmou André Longo. 

Conheça as novas medidas restritivas

As novas regras passam a valer da próxima sexta-feira (14) até o dia 31 de janeiro. Nos serviços de alimentação, será exigido o passaporte vacinal com duas doses ou dose única para pessoas até os 54 anos de idade e, a partir dos 55, também o reforço. A quantidade de pessoas por mesa não pode passar de 20. A medida é válida para restaurantes, bares e lanchonetes, inclusive de shoppings e centros comerciais.  

Nos cinemas, teatros e museus, a regra do passaporte vacinal é a mesma dos serviços de alimentação. Também deve ser respeitado o distanciamento de 1 metro entre pessoas que não sejam do mesmo núcleo familiar. Caso haja mais de 300 pessoas no ambiente, ainda será exigida a apresentação de um teste negativo para covid-19, sendo com 24 horas de antecedência para exames de antígeno e de 72 horas para exames de RT-PCR. 

Para eventos, houve uma redução no público permitido. Agora, o limite é de até 3 mil pessoas em locais abertos, de 1 mil em espaços fechados ou 50% da capacidade do local; vale o que for menor. Além da comprovação vacinal com duas doses ou dose única para quem tem até 54 anos e o reforço para quem tem a partir de 55, também haverá a necessidade de apresentar o teste negativo para a covid em eventos com mais de 300 pessoas. Vale reforçar que o exame deve ser feito com 24 horas de antecedência (no caso do teste rápido de antígeno) e com 72 horas para exames de RT-PCR. 

Os eventos programados para este fim de semana já precisarão ser reajustados para essas novas regras. "Estas medidas têm o objetivo de diminuir a circulação viral e proteger nossa população, estimulando a vacinação. E para garantir que sejam cumpridas, também vamos reforçar a fiscalização", frisou Longo. Ele também destacou todo o trabalho que vem sendo feito para ampliação de leitos, mas lembrou que "só com os esforços do governo do Estado não seremos capazes de proteger a população. Ou todos cooperam, ou teremos perda de vidas e muito mais sofrimento". 

Já o secretário de Turismo e Lazer de Pernambuco, Rodrigo Novaes, disse que essas "são decisões difíceis, são decisões que exigem responsabilidade por parte do poder público, por parte do Governo do Estado, mas extremamente necessárias, tendo em vista a priorização da saúde e da vida dos pernambucanos. É preciso que a gente siga com todos os cuidados, com o uso de máscara, com o cuidado com higienização, respeito aos protocolos e as medidas que estão sendo anunciadas para que a gente possa, mais uma vez, enfrentar este momento difícil, para que a gente consiga resguardar a saúde preciosa do povo pernambucano".

Ele também reforçou a solidariedade e a compreensão do setor de eventos, que é formado por uma cadeia complexa de pessoas, formais e informais, e convocou o público para se imunizar contra a covid-19. "O que vai dizer como iremos enfrentar a nova variante, ômicron, deverá ser exatamente a vacinação. Se a população estiver vacinada, temos tudo para enfrentar de maneira mais simples, mais fácil, mas ainda com todos os cuidados", acrescentou Novaes.  

Comentários

Últimas notícias