Ondas gigantes adiam o Pipe Masters no Havaí

Alexandre Gondim
Alexandre Gondim
Publicado em 13/12/2019 às 15:48
Leitura:
[caption id="attachment_4875" align="alignnone" width="748"]"" Billy Kemper. Foto: Cait Miers/WSL[/caption]A quinta-feira, 13/12, amanheceu no Havaí com ondas gigantes de 20-25 pés quebrando no terceiro reef de Banzai Pipeline e as oitavas de final do Billabong Pipe Masters precisaram ser adiadas, para preservar a integridade física dos atletas. As condições estavam insurfáveis, muito perigosas, mas perfeitas para rolar o cbdMD Jaws Big Wave Championships, em ondas de 30 a 50 pés (9 a 15 metros de altura) no famoso pico de Pe´ahi, no north shore da ilha de Maui.Os havaianos fizeram a festa, com Billy Kemper e Paige Alms conquistando os títulos do World Surf League Big Wave Challenge na modalidade de remada, sem auxílio do jet-ski para dropar as morras de Jaws.O cbdMD Jaws Big Wave Championships aconteceu em ondas de 30 a 50 pés e o Brasil ficou em sexto nas finais, com Lucas Chumbo Chianca e Michaela Fregonese. Ambos não conseguiram repetir as atuações que os levaram até as decisões dos títulos e terminaram em sexto lugar.[caption id="attachment_4877" align="alignnone" width="748"]"" Lucas Chianca . Foto: Cait Miers/WSL[/caption]Michaela não pegou nenhuma onda e Paige Alms só surfou uma para ser campeã com 12,34 pontos, resultado do dobro da maior nota na regra utilizada nas etapas do WSL Big Wave Tour. A australiana Felicity Palmateer também só pegou uma para ficar em segundo lugar com 10,86, seguida pelas havaianas Annie Reickert com 9,13, Keala Kennelly com 8,17 e Emily Erickson com 1,40.Estou muito feliz e emocionada, disse Paige Alms. As condições estavam super desafiadoras hoje. Quando entrei na minha primeira bateria, já vi que o vento estava aqui e tentei tomar decisões inteligentes, depois de ser espancada no final da minha primeira onda. Eu tento escolher as boas e me sinto mais viva quando estou em uma onda gigante, mas é uma faca de dois gumes. Você está sempre colocando sua vida em risco para surfar essas ondas, mas quando você surfa com sucesso, a sensação é indescritível, nada supera isso.[caption id="attachment_4873" align="alignnone" width="748"]"" Paige Alms. Foto: Keoki Saguibo/WSL[/caption]Esta foi a terceira vez que Paige Alms vence o desafio nas ondas de Pe´ahi, enquanto Billy Kemper já colecionou sua quarta vitória no cbdMD Jaws Big Wave Championships. A havaiana foi bicampeã em 2016 e 2017 e conseguiu completar um drop insano em sua primeira onda na quinta-feira, antes de ser engolida por uma montanha de espuma. Ela sofreu uma lesão no tendão, mas isso não a impediu de disputar a final. Outra surfista de Maui, a jovem Annie Reickert, de apenas 18 anos, estava estreando no Big Wave Tour e surpreendeu ao ficar em terceiro lugar, atrás da australiana Felicity Palmateer, que se jogou numa morra, arriscando a vida para conquistar o vice-campeonato.Entre os homens, Billy Kemper provou mais uma vez ser o melhor surfista nas ondas gigantes de Maui. Neste ano, conquistou o tetracampeonato no cbdMD Jaws Big Wave Championships, pois já tinha vencido o evento em 2015, 2016 e em 2018. O surfista de 29 anos tinha vencido a triagem do Billabong Pipe Masters, mas foi barrado na quarta-feira, no duelo havaiano com Seth Moniz pela terceira fase da etapa que vai decidir o campeão mundial da temporada. Ele fez o maior placar do dia na hora certa, na grande final, 21,26 pontos de 30 possíveis.[caption id="attachment_4876" align="alignnone" width="748"]"" Billy Kemper . Foto: Cait Miers/WSL[/caption]Eu estou na Lua agora. É um sentimento incrível, vibrou Billy Kemper. Estava muito difícil, mas toda manhã acordo cedo para trabalhar duro e todo o sacrifício, o tempo que deixo de ficar com minha esposa e filhos, é para isso. Este é o meu orgulho e alegria. Deixo sangue, suor e lágrimas em Jaws. Este é o meu quintal e sou muito territorial. Quando eu cheguei na final, prometi a mim mesmo que não iria voltar pra casa com o segundo lugar e deu tudo certo, então estou muito feliz em conseguir mais uma vitória neste lugar que eu amo.O havaiano se jogou numa onda gigantesca na primeira série que entrou na final e se entocou num tubo enorme, conseguindo encontrar uma saída para ganhar nota 7,83. Mas, ele tinha adversários de peso, como os também nativos de Maui, Ian Walsh que já venceu o Jaws Challenge, e Kai Lenny, três vezes finalista em Pe´ahi, os big-riders da ilha de Oahu, Makuakai Rothman e Nathan Florence, além do brasileiro Lucas Chianca, que quase não conseguiu surfar contra os cinco havaianos que enfrentou na decisão do título.[caption id="attachment_4874" align="alignnone" width="748"]"" Michaela Fregonese. Foto: Keoki Saguibo/WSL[/caption]Kai Lenny chegou a tirar a liderança de Kemper, mas o defensor do título pegou outro tubo nota 5,60 para confirmar sua quarta vitória no cbdMD Jaws Big Wave Championships por 21,26 pontos. Ian Walsh ainda tentou a vitória arriscando tudo numa onda gigantesca, que lhe rendeu nota 7,00, mas precisava de um pouco mais para conquistar o título. Ele terminou como vice-campeão com 20,03 pontos e Nathan Florence ficou em terceiro com 16,76, seguido por Kai Lenny com 16,59, Makuakai Rothman com 9,37 e Lucas Chianca com apenas 1,40,Vamos aguardar o reinício do Pipe Masters !!!!! Aloha e acompanhe pelo BLOG DO SURFE !!!!Vaja o primeiro round do cbdMD Jaws Big Wave Championships :

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias