Um santo surfista para pedirmos proteção

Alexandre Gondim
Alexandre Gondim
Publicado em 24/03/2020 às 10:24
Notícia
Arquivo pessoal
Guido Schäffer, surfista e padre carioca esta em processo de beatificação no vaticano - FOTO: Arquivo pessoal
Leitura:

Você sabia que um surfista carioca está com o processo de canonização em andamento no Vaticano e poderá ser o próximo santo brasileiro?

Milagres são atribuídos a Guido Schäffer, que morreu surfando no Rio de janeiro em 2009, aos 34 anos. Seminarista, médico e sanitarista, sentiu o "chamado divino" em uma viagem ao santuário de Fátima em Portugal.

Guido vivia na Zona Sul do Rio de Janeiro e tinha uma vida bem comum para a sua idade. Curtia estar com os amigos, namorava, aproveitava bastante a sua juventude até que, após visitar Fátima, Portugal, com seus pais, sentiu a vocação e informou à família que queria ser padre.

Arqrio/Divulgação
Guido Schäffer, surfista, médico e padre esta em processo de beatificação no vaticano - Arqrio/Divulgação

Sobre isso, sua mãe, Nazareth Schäffer, diz: "Como ele era médico e tinha uma namorada firme, imaginei que continuaria na medicina e se casaria". Tentou questiona-lo: "Mas para todo questionamento, meu filho tinha uma resposta segura”. Lembra também sua mãe: “Uma vez, quando ele tinha 6 anos de idade, na hora de dormir percebi que Guido estava chorando. Fui saber o porquê. Ele disse que tinha visto Jesus. Então perguntei como Jesus era e ele me respondeu: Jesus é lindo, mamãe. Ele me disse para ser obediente aos meus pais, frequentar a missa e prestar muita atenção no que o padre diz, porque um dia eu vou chamar meus amigos. E isso foi algo que realmente fez. Esquecera-se dessa visão que teve, mas seguiu, mesmo sem lembrar, o conselho que recebera de Jesus na visão".

Decidido, Guido uniu o seminário à medicina e, sempre que podia, ia surfar. Chamava a atenção dos amigos a forma como ele se relacionava com a comunidade, principalmente com os jovens mais necessitados. Sabia chegar, ouvir e ajudar.

O padre Jorjão, da igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, seu guia espiritual recorda: “Guido mostrava que a santidade é possível no mundo de hoje a qualquer pessoa. Ele tinha traços de liderança e uma grande preocupação social, tanto que fundou um grupo de oração com os jovens da paróquia.” Gosta de lembrar que o surfista “transbordava Deus", sem renunciar às suas características. “Ele era o sacerdote que eu mesmo desejava ser”, confessa o padre.

O surfista também trabalhava com as irmãs Missionárias da Caridade, ordem criada por Madre Tereza de Calcutá, e era reconhecido pelo atendimento que prestava aos moradores de rua. Tinha por hábito orientar pessoas com qualquer tipo de problema e dificuldade.

Em maio de 2009, Guido estava surfando na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, quando bateu a cabeça na prancha. O impacto atingiu sua nuca, levando-o a desmaiar, provocando seu afogamento.

Surffoto/Divulgação
Guido Schäffer, surfista, médico e padre esta em processo de beatificação no vaticano - Surffoto/Divulgação

Aos amigos, falava que, se pudesse escolher, queria morrer na praia. E morreu assim, antes de concluir o curso de Teologia.

“Ficava impressionado com o jovem que amava o surfe, amava a Deus e falava dele com desenvoltura. Tinha uma conexão com o mar, as melhores ondas iam sempre nele.”, registra seu amigo Eduardo Martins.

Depois de sua morte, os relatos de milagres começaram e se sucedem. A dona de casa Valéria Junqueira, que o conheceu no grupo de oração, diz que seu marido foi curado pelo “São Guidinho”: “Meu filho Alexandre era amigo de Guido e depois que ele morreu comecei a orar por ele”. Depois do acidente de Schäffer, o marido dela teve uma crise de diverticulite, foi internado às pressas em um hospital público e os médicos chegaram a dizer que não sobreviveria. Valéria orou a Guido pela vida do marido. “Nosso pedido foi ouvido e por um milagre ele foi curado sem precisar da cirurgia, mesmo com todas as dificuldades e as condições precárias do lugar.”

O cardiologista Bernardo Amorim foi vítima de uma doença nervosa que o deixou com o corpo todo paralisado. A mãe Eliana Amorim chegou a ouvir dos médicos que o filho só voltaria a andar em aproximadamente seis meses e que, talvez, o exercício da medicina ficaria comprometido. “Antes mesmo de sair do hospital, ele já conseguia ficar em pé e dar alguns passos”, conta a mãe. “Hoje, Bernardo trabalha e dirige.” O rápido restabelecimento dele não foi atribuído a nenhum tratamento inovador ou revolucionário. "Orei ao Guido, disse que Bernardo amava a medicina e pedi que ele pudesse voltar a trabalhar”, diz a mãe.

Carlos Moioli /Arqrio
Missa celebrada na praia por Guido Schäffer, surfista, médico e padre esta em processo de beatificação no vaticano - Carlos Moioli /Arqrio

A pedidos daqueles que conviveram com Guido Schäffer, uma carta assinada pelo arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, inaugurou o processo de beatificação, dando inicio à fase Arquidiocesana, a primeira das quatro etapas até o processo de canonização, sendo agora ele Servo de Deus.

“Depois da morte de Guido Schäffer, médicos, seminaristas e amigos começaram a comentar que ele deveria ser reconhecido como exemplo de vida cristã, era uma pessoa que trabalhou como médico e atuou de forma próxima dos pobres e doentes" salientou o Arcebispo.

A Arquidiocese do Rio de Janeiro deverá coletar depoimentos sobre os possíveis milagres do seminarista. Segundo o coordenador da Comissão Histórica do Processo de Beatificação, Dom Roberto Lopes, a meta é ouvir trinta testemunhas, entre colegas de trabalho, surfistas e seminaristas.

“O processo está ocorrendo de forma muito rápida, pois como a morte de Guido é recente, é mais fácil verificar documentos e encontrar pessoas que conviveram com ele”, diz

Schäffer traz renovação para a Igreja Católica, unindo juventude, esporte e podendo ser referência para tantos outros jovens.

Resta esperar até o processo ser concluído, mas ao que tudo indica, Guido Schäffer pode chegar ao altar com sua prancha de surfe que hoje é considerada uma relíquia e sem a austeridade comum aos sacerdotes.

Que o "santo" surfista, brasileiro, olhe por nós e nos ajude a passar por esta terrível pandemia. Amém!

Carlos Moioli /Arqrio
Missa celebrada na praia por Guido Schäffer, surfista, médico e padre esta em processo de beatificação no vaticano - FOTO:Carlos Moioli /Arqrio
Carlos Moioli /Arqrio
Homenagem a Guido Schäffer em missa celebrada na praia. - FOTO:Carlos Moioli /Arqrio
Carlos Moioli /Arqrio
Amigos de Guido Schäffer em missa celebrada na praia por Guido Schäffer - FOTO:Carlos Moioli /Arqrio
Surffoto/Divulgação
Guido Schäffer, surfista, médico e padre esta em processo de beatificação no vaticano - FOTO:Surffoto/Divulgação
Arqrio/Divulgação
Guido Schäffer na praia indo para uma seção de surfe - FOTO:Arqrio/Divulgação
Arqrio/Divulgação
Desenho sobre a história de Guido Schäffer, o padre surfista - FOTO:Arqrio/Divulgação
Arqrio/Divulgação
Guido Schäffer, junto com freiras, ajudava os necessitados. - FOTO:Arqrio/Divulgação

Comentários

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias