Novo normal no surfe é o Brasil no pódio

O Brasil passou a ocupar pela primeira vez na história de todas as modalidades esportivas individuais, os três primeiros lugares no ranking mundial.

Alexandre Gondim
Alexandre Gondim
Publicado em 25/05/2021 às 15:52
Notícia
WSL/DIVULGAÇÃO
A tempestade brasileira não passa. Fechou o tempo para os gringos - FOTO: WSL/DIVULGAÇÃO
Leitura:

Tempos atrás, os australianos vinham para o Brasil e ganhavam quase todas as etapas que participavam por aqui. Agora o cenário mudou e os brasileiros venceram todas as etapas na casa deles. Essa nova “perna australiana”, já começou com uma final verde-amarela entre os dois últimos campeões mundiais no Rip Curl Newcastle Cup, com o defensor do título,Italo Ferreira, derrotandoGabriel Medina na disputa que valia a liderança no ranking 2021 da World Surf League.

Medina já havia perdido para John John Florence a decisão do Billabong Pipe Mastersque abriu a temporada em dezembro no Havaí, mas também chegou na final do Rip Curl Narrabeen Classic e tirou a lycra amarela de número 1 do ranking do potiguar com a vitória em Sidney. Já no Boost Mobile Margaret River Pro, deu dobradinha brasileira no alto do pódio, comFilipe Toledo e Tatiana Weston-Webb campeões nas grandes ondas de Main Break.

WSL/DIVULGAÇÃO
Ítalo e Gabriel - WSL/DIVULGAÇÃO

Com este resultado, o Brasil passou a ocupar pela primeira vez na história de todas as modalidades esportivas individuais, os três primeiros lugares no ranking mundial, comGabriel Medina seguido por Italo Ferreira e Filipe Toledo, com Tatiana Weston-Webb na vice-liderança do feminino. Filipe e Tatiana não foram bem em Rottnest Island e caíram uma posição, mas estão firmes no grupo dos top-5 que vão disputar os títulos mundiais noRip Curl WSL Finals, de 8 a 17 de setembro nas ondas de alta performance de Lower Trestles, na Califórnia, Estados Unidos.

WSL/DIVULGAÇÃO
Tati e Filipinho - WSL/DIVULGAÇÃO

No Rip Curl Rottnest Search, teve mudanças. Na masculina,Medina disparou na frente, abrindo 8.685 pontos de vantagem sobre Italo. O sul-africano Jordy Smith subiu do quinto para o terceiro lugar,Filipe caiu para quarto e o australiano Morgan Cibilic, saltou da décima primeira para a quinta posição, tirando da lista o havaiano John John Florence, que se contundiu em Margaret River e nem competiu nesta etapa.

Depois de quatro etapas seguidas na Austrália, o próximo desafio dos melhores surfistas do mundo será nas ondas perfeitas da piscina da World Surf League. O Jeep Surf Ranch Proserá disputado nos dias 18 a 20 de junho. Depois, tem mais três eventos para definir os top-5 e as top-5 que vão decidir os títulos mundiais no Rip Curl WSL Finals, a estreia do Corona Open Mexico nos dias 5 a 15 de julho em Barra de La Cruz, oOi Rio Pro de 11 a 16 de agosto em Saquarema e o Outerknown Tahiti Pro de 23 de agosto a 1 de setembro nos temidos tubos de Teahupoo.

Vamos acompanhar e torcer por nossos representantes. Aloha !

WSL/DIVULGAÇÃO
SURFE Gabriel Medina chega aos Jogos Olímpicos como um dos favoritos ao ouro na modalidade estreante - FOTO:WSL/DIVULGAÇÃO
WSL/DIVULGAÇÃO
Tatiana Weston-Webb - FOTO:WSL/DIVULGAÇÃO
WSL/DIVULGAÇÃO
Ítalo Ferreira - FOTO:WSL/DIVULGAÇÃO
WSL/DIVULGAÇÃO
Ítalo e Gabriel - FOTO:WSL/DIVULGAÇÃO
WSL/DIVULGAÇÃO
Tati e Filipinho - FOTO:WSL/DIVULGAÇÃO
WSL/DIVULGAÇÃO
Filipe Toledo - FOTO:WSL/DIVULGAÇÃO

Comentários

Últimas notícias