SUPERAÇÃO: União no box de crossfit ajuda na obtenção de objetivos

Publicado em 19/08/2018 às 11:42
Leitura:
Coach Fernando Fontelles ajudou nas adaptações do treinamentos de Danilo. Foto: Felipe Jordão/JC Imagem Começar a praticar crossfit com 154 kg e, consequentemente, um nível elevado de obesidade não foi empecilho para o advogado Danilo Canário, de 28 anos. Para se encontrar na modalidade, porém, ele contou com atenção especial dos coaches, que fizeram todas as adaptações necessárias ao treinamento. Um ano depois de se matricular no box que frequenta, Danilo baixou o peso para 139 kg. Já salta sobre caixas e faz os mesmos exercícios propostos aos demais alunos. Mas nem sempre foi assim. “Danilo chegou aqui quando a Vikings abriu. Eu lembro que perguntei se alguém tinha desconforto, dor, doenças limitadoras e ele falou: ‘Eu sou obeso e tomo remédio de hipertensão, justamente por causa da obesidade’. Então, algumas adaptações precisaram ser feitas para controle da intensidade do treino. Ao invés de soltar ele sozinho para fazer tudo igual a todo mundo, a gente definiu uma estratégia do que ele deveria fazer”, relembrou o coach Fernando Fontelles. Nos primeiros meses, Danilo executava os movimentos com amplitude, quantidade de repetições e tempo de intervalo controlados. Em treinos em que os exercícios propostos precisassem ser executados no menor tempo possível, por exemplo, ele trabalhava com outro intervalo estipulado pelos coaches. “Uma das maiores vitórias aqui na Vikings foi quando fizemos um treino absurdo de pesado, que era em dupla, no final do ano. E a gente não precisou passar nenhuma adaptação para Danilo. Ele fez o treino sozinho e acabou primeiro que muita gente. Acabou bem, feliz, sorrindo. Aquilo ali foi uma vitória para nós treinadores que acompanhamos Danilo desde o começo. O primeiro passo foi dado. O segundo é tirar o remédio para a hipertensão”, contou Fontelles. A adaptação até Danilo atingir autonomia não foi a única ajuda que o advogado encontrou no box de crossfit para começar a vencer a obesidade. Constantemente ele também recebe incentivos para permanecer com a constância nos treinos e seguir firme na dieta. “Crossfit não é só chegar, treinar e ir embora. Você cria uma família com quem treina todos os dias. Ninguém deixa mais Danilo ficar parado. Todo mundo chama ele para fazer tudo e acho que um grande diferencial é exatamente essa integração que existe. Não importa se você é feio, bonito, modelo, gordo, magro... Aqui dentro todo mundo é igual e a gente vai adaptar o treino para quem for que chegue. Eu sei a batalha que Danilo vem passando, sei que não é fácil”, finalizou o coach.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias