LAZER

China planeja reabertura de cinemas para junho

Autoridades chinesas acreditam que a abertura gradual da vasta rede de cinemas do país, com 70 mil salas, deve acontecer em breve com a redução do nível do estado de emergência

Rostand Tiago
Cadastrado por
Rostand Tiago
Publicado em 29/04/2020 às 10:08 | Atualizado em 29/04/2020 às 10:15
AFP/REPRODUÇÃO
Cinemas chineses tentaram uma segunda reabertura em junho - FOTO: AFP/REPRODUÇÃO
Leitura:

Segundo o The Hollywood Reporter, um dos mais tradicionais veículos de cinema dos Estados Unidos, autoridades chinesas podem ter indicado que a vasta rede de cinemas do país pode reabrir gradualmente em meados de junho. De acordo com a publicação, a capital Pequim deve sair do mais alto nível de estado de emergência na próxima quinta-feira (30). O anúncio foi feito por Chen Bei, vice-secretária geral do governo municipal de Pequim, acompanhada por Wang Xiaohui, chefe do Escritório de Filmes da China.

Wang falou em acender a luz verde para a abertura de cinemas, museus e outras áreas de lazer fechadas ainda na primeira quinzena de junho. O governo do país indica um controle da epidemia do novo coronavírus nas fronteiras. A China conta com uma rede de 70 mil salas de cinema, a maior do mundo. Em março, houve uma tentativa de reabertura desses espaços, fechados desde janeiro, mas logo foi suspensa por preocupações de uma nova onda de disseminação da doença no país.

As autoridades governamentais ainda falaram sobre a oferta de uma série de políticas de apoio para a indústria cinematográfica, sem mais detalhes de como seriam realizadas. Os impactos no segmento do país pode ter chegado a US$ 4,2 bilhões. Há relatos de empresas da área entrando em falência.

Os impactos também atingem a produção em escala global, com o mercado chinês sendo um dos principais alvos dos grandes estúdios americanos. Filmes como o novo 007 e Mulan, um dos primeiros a serem adiados, levaram em conta a perda do mercado chinês, antes mesmo de uma pandemia ser declarada. Até o momento, a China registrou mais de 4 mil mortes pela covid-19 e mais de 80 mil infectados.

Comentários

Últimas notícias