FLIP

Autora de 'Handmaid's Tale', Margaret Awood diz que 'solução para o planeta precisa vir das pessoas'

Escritora canadense Margaret Atwood participou de mesa com cientista Antonio Nobre na 19ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty

Estadão Conteúdo Emannuel Bento
Estadão Conteúdo
Emannuel Bento
Publicado em 03/12/2021 às 15:50
Notícia
Foto: AFP
Margaret Atwood - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

A 19ª edição da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), que acontece em formato virtual até o próximo dia 5 de dezembro, tem proporcionado encontros e debates que têm como eixo principal a questão das "plantas e florestas". Foi a partir desta ideia e dos conceitos de utopia e distopia que se desenrolou, na quarta-feira, 1º, uma das mesas mais aguardadas do evento: a reunião entre a escritora canadense Margaret Atwood e o cientista Antonio Nobre.

Entre outras obras, Margaret Atwood é autora de The Handmaid's Tale (No Brasil o título é "O Conto da Aia). O livro, lançado em 1985, inspirou uma série de enorme sucesso e muitos prêmios sobre um regime totalitário que trata as mulheres como propriedade.

A obra de Margaret fez com que ela se tornasse uma espécie de fonte primária quando o assunto é distopia. Não à toa, ela criou a palavra "Ustopia". "Utopia e distopia são duas metades da mesma coisa. Cada distopia tem um pouco de utopia dentro dela", falou a autora.

Ao lado da autora, Antonio Nobre, cientista com trabalhos reconhecidos sobre mudanças climáticas e aquecimento global, foi quem trouxe a questão da distopia para dentro do tema proposto pela Flip: "A perda da conexão do ser humano com a articulação da vida pela natureza está na origem do que entendo como distopia", falou.

Questionada pela escritora e jornalista portuguesa Anabela Mota Ribeiro sobre a crise climática e problemas envolvendo o descaso do ser humano com a natureza, Margaret foi direta: "O problema é que os políticos são pensadores de curto prazo que pensam em como se reeleger", disse. Para ela, a solução para o planeta precisa vir do "público em geral" e de pessoas como a jovem ativista Greta Thunberg. Ainda assim, a escritora advertiu para a necessidade de explicar às pessoas que a defesa da natureza não significa, por exemplo, a perda de empregos.

"A natureza está em você. Cada vez que você respira, você respira a natureza. A sobrevivência de nós nossa sobrevivência depende da natureza. Digo para os jovens que o problema não é meu, é deles", brincou Margaret, que tem 82 anos.

Perguntado sobre quem protege as plantas e a natureza ameaçada, Nobre foi enfático: "As plantas só podem ser protegidas pela consciência. Só assim pode ser protegida da distopia em que vivemos", disse.

Mas foi a poesia de Margaret que encontrou a metáfora certa para resumir o tema da mesa: "Não estamos separados da natureza, do tempo ou do ciclo da vida. Achamos que transcendemos a natureza, mas não é bem assim. Isso é o agora, daqui a 5 minutos será outro momento. Observamos isso nas flores. Uma flor é um botão. Ela vai desabrochando, se abrindo e murchando. Com algumas flores, tudo isso pode acontecer em apenas uma noite apenas.. Parece triste, mas vamos aproveitar as flores" , falou.

Comentários

Últimas notícias